OITAVA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA: 

OITAVA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA:
LOCAL: Moscou, Rússia
ESTÁDIO: Luzhniki
DATA: 20/10/1982
JOGO: Spartak Moscou 🇷🇺 X HFC Haarlem 🇳🇱
NÚMERO DE MORTOS: + 66
NÚMERO DE FERIDOS: 100 .
.
Esta tragédia, pode ter sido a maior já ocorrida na história do futebol. Eu disse pode, pois oficialmente foram “apenas” 66 mortos, enquanto extra-oficialmente foram em torno de 340. A tragédia ocorreu no estádio que será palco da final da Copa deste ano, que na época se chamava “Estádio Lenin”. A partida era entre o Spartak (mandante) e o HFC Haarlem (visitante), clube holandês que já não existe mais, válido pela segunda rodada da Copa da UEFA 1982-83. Fazia muito frio (-10°C), havia nevado bastante antes do início do jogo, o estádio não era coberto e por esta razão, as autoridades optaram por deixar apenas 2 arquibancadas de um total de 4, disponíveis aos torcedores (era muita neve para ser retirada). Eram esperados 80 mil torcedores, mas apenas 16.500 se aventuraram a ir assistir a partida. A arquibancada mais perto do acesso ao metrô, acabou ficando com 12 mil torcedores e a outra com os 4 mil restantes. O Spartak vencia por 1 a 0, muitos torcedores resolveram deixar o estádio pela rampa e rumar para o metrô, procurando fugir da multidão que se formaria após o apito final. Neste momento, uma série de erros e acidentes se iníciou: o Spartak fez mais um gol nos acréscimos, muitos torcedores resolveram voltar e bateram de frente com pessoas tentando sair, isso somado ao fato de uma das barras da rampa ter rompido, culminando na queda de torcedores no fosso e o asfixiamento de outros torcedores pela aglomeração que se formava. Foi a maior tragédia em um estádio da União Soviética e ela ficou marcada, pelas diversas tentativas do governo em encobrir tudo que ocorreu. Nos dias seguintes, a imprensa local sequer divulgava que pessoas haviam morrido e ficou por conta da impresa internacional, realmente divulgar para o mundo os acontecimentos trágicos daquela dia. Hoje, mais de 35 anos depois, investigações independentes apontam para cerca de 340 mortes. Nunca saberemos o número exato de mortes, mas se esta estimativa estiver correta, este foi a maior tragédia da história.

SEXTA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA:

SEXTA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA: .
.
ESTÁDIO: Monumental
LOCAL: Buenos Aires, Argentina
DATA: 23/6/1968
JOGO: River Plate X Boca Juniors
NÚMERO DE MORTOS: 74
NÚMERO DE FERIDOS: 150 .
.
Este é sem dúvida, um dos dez maiores clássicos do futebol mundial e uma das maiores rivalidades que existem neste esporte. Foram mais de 74 mortos e 150 feridos. Eu só coloco esta tragédia a frente da que já contei ocorrida no Egito (quem não leu ainda, vai no feed e leia), porque a maioria dos mortos foram adolescentes e jovens adultos. Aparentemente, espectadores estavam tentando deixar o estádio por um saída que se encontrava fechada, após o término da partida. Os torcedores que se encontravam lá na frente acabaram sendo literalmente esmagados contra os portões, pelas pessoas que vinham lá de trás e que não sabiam que os portões estavam fechados. Existem diversas teorias sobre o que exatamente ocorreu naquele fatídico dia. Alguns, afirmam que torcedores do Boca jogaram bandeiras do River em chamas das arquibancadas superiores, causando uma debandada em massa da torcida. Outros, afirmam que torcedores do River invadiram o espaço reservado ao Boca, causando uma debandada da torcida visitante. Alguns outros, falam que o portão 12 estava trancado e que os torcedores que vinham lá de trás não conseguiam escutar os da frente pedindo para eles pararem de avançar. O presidente do River na época, culpou a polícia, já que eles haviam começado a repremir fortemente a torcida do Boca, que estava arremessando urina das arquibancadas nos torcedores do River. Algumas testemunhas, afirmam que os portões estavam trancados pelo lado de fora por uma enorme barra de ferro. Depois de 3 anos de investigações o governo não identificou os culpados. Desde então, as saídas do Monumental foram alteradas de números para letras. A perícia constatou que a maioria dos mortos eram torcedores do Boca. Existem teorias que apontam que eram os próprios torcedores do River, quem estavam fechando o portão 12 por fora e outras que falam sobre crime político, já que a torcida do Boca gritou apoio a Perón (arqui-inimigo do então ditador Onganía). Não houveram indenizações significativas as familias das vítimas.

SÉTIMA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA

SÉTIMA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA:
LOCAL: Port Said, Egito
DATA: 1/2/2012
JOGO: Al-Masry X Al-Ahly
NÚMERO DE MORTOS: 74
NÚMERO DE FERIDOS: 500
.
.
Dia 1 de fevereiro de 2012, era para ser apenas mais um dia comum, dia de rodada do campeonato egípcio e dia de Al-Masry versus Al-Ahly. Infelizmente, este dia acabou entrando para história como um dos mais tristes e lamentáveis da história do futebol. O jogo foi disputado no estádio de Port Said, casa do Al-Masry, que tem capacidade para 17 mil pessoas e fica na região nordeste do país. O acontecimento daquela quarta-feira a noite, foi destaque nos principais jornais do mundo. Com 74 mortos e mais de 500 feridos, até o noticiário dos Estados Unidos, que normalmente é alheio ao esporte, deu grande destaque ao ocorrido. A tragédia ocorreu em uma época de grande insegurança e crise política no Egito, fator que com certeza teve grande contribuição para o ocorrido, principalmente se considerarmos que um ano atrás, o ditador Mubarak havia sido tirado do poder. Tudo começou assim que o árbitro apitou o final da partida, decretando a vitória dos mandantes por 3 a 1 sobre o Al-Ahly. Os torcedores do Al-Masry então, invadiram o campo e partiram para cima de jogadores e torcedores do Al-Ahly. Os jogadores buscaram se proteger nos vestiários, mas a torcida não tinha para onde ir e o fato de alguns portões do estádio ainda se encontrarem fechados, só piorou a situação ainda mais. No dia 20 de fevereiro de 2017, 5 anos após a tragédia, a mais alta corte de apelação egípcia acatou a sentença de morte imposta a 10 torcedores do Al-Masry. Inicialmente o pedido era para 21 torcedores pagarem com a vida, porém a justiça absolveu 11 deles. A decisão não permitia mais recursos e no total 73 pessoas foram acusadas pela tragédia. Entre os que receberam penas pequenas estão nove policiais, o chefe de segurança responsável pelo estádio e o diretor esportivo do Al Masry. Até hoje, esta é considerada a pior tragédia da história do futebol egípcio. Depois da tragédia, o campeonato nacional foi interrompido por 2 anos e a torcida do Al-Ahly jurou vingança ao Al-Masry. O Egito segue tendo uma das torcidas mais violentas do mundo.