DÉCIMA QUARTA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA

DÉCIMA QUARTA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA:
LOCAL: Orkney, África do Sul 🇿🇦
ESTÁDIO: Oppenheimer Stadium
DATA: 13/01/1991
JOGO: Kaizer Chiefs 🇿🇦 X Orlando Pirates 🇿🇦
NÚMERO DE MORTOS: 42
NÚMERO DE FERIDOS: Não Determinado
.
.
A África do Sul não está imune de sofrer com as grandes tragédias da história do futebol. A décima quarta pior tragédia ocorreu na cidade mineradora de Orkney, durante uma partida de pré-temporada entre dois clubes sul-africanos: Kaizer Chiefs (não é a banda de rock hein pessoal) e o Orlando Pirates (nao é Orlando da Disney, é da cidade de Orlando, que fica nos subúrbios de Johanesburgo). Nesse trágico acidente quarenta e duas pessoas perderam suas vidas esmagadas e pisoteadas, depois que um torcedor do Pirates armado com uma faca começou a atacar torcedores nas arquibancadas, o que gerou pânico generalizado no estádio. O jogo era considerado um “amistoso” e 42 pessoas perderam suas vidas, imagina o que aconteceria se fosse uma partida válida pela final de algum torneio. A grande maioria dessas vítimas acabou morrendo, principalmente porque foram fortemente preensadas contra várias grades de proteção que cercavam todo o perímetro do campo. Essa é considerado a segunda pior tragédia da história do país, só perdendo para o outra que ocorreria 10 anos depois e que vou contar na próxima vez que a série #tragediascdf retornar. Uma das causas mais comuns em casos de tragédias por debandadas é a superlotação dos estádios e nesse caso aqui não foi diferente. A capacidade do estádio era de 23 mil pessoas, mas estima-se que o público naquele 13 de janeiro de 1991 era de mais de 30 mil torcedores presentes no Estádio Oppenheimer. O lance do ataque com facas ocorreu após lance polêmico em que o árbitro confirmou gol do Chiefs para revolta dos torcedores do Pirates. Por se tratar de um partida de pré-temporada e em estádio neutro, não houve separação das torcidas na arquibancada e isso também contribuiu demais para que a tragédia ocorresse. Não se sabe até hoje, se era apenas um torcedor do Pirates armado com faca ou se era um grupo que atacou os torcedoes do Chiefs, mas o fato é que esse foi o “gatilho” para o pânico generalizado daquele dia.

DÉCIMA SEGUNDA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA: 

DÉCIMA SEGUNDA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA:
LOCAL: Kayseri, Turquia 🇹🇷
ESTÁDIO: Kayseri Ataturk Stadium
DATA: 17/09/1968
JOGO: Kayseri Erciyesspor 🇹🇷 X Sivasspor 🇹🇷
NÚMERO DE MORTOS: Pelo menos 44
NÚMERO DE FERIDOS: 600
.
.
Quem conhece bem futebol sabe que a Turquia é um dos países mais apaixonados que existem por esse esporte. E a briga entre torcidas rivais por lá é algo tão comum quanto aqui no Brasil.
No final da década de 60 essa grande tragédia marcou para sempre a violência dentro do futebol turco. Naquela época as cidades de médio porte da Turquia brigavam por um espaço dentro do futebol doméstico (dominado pelos clubes de Istambul) e isso aumentava consideravelmente a rivalidade entre elas. Um dos conflitos mais intensos era entre as cidades de Kayseri e Sivas. Kayseri era mais rica e desenvolvida, por isso muitos comerciantes de lá acabavam dominando a economia de Sivas. Portanto, enquanto as partidas de futebol representavam a ideia de Sivas desafiando essa hegemonia e tradição de Kayseri, para a cidade de Kayseri representava a ideia de que a cidade deles ainda era a melhor em todos os aspectos. No dia 17 de setembro de 1968, em Kayseri, 21 mil pessoas iriam assistir o time da casa contra o Sivas e a tensão aumentou mais ainda quando as torcidas começaram a arremessar pedras uma contra as outras. Um grupo de torcedores do Sivasspor, buscando escapar dessas pedras, correu em direção ao campo e também aos portões de saída. Aqueles que tentaram entrar no campo, esbarraram nos policias e acabaram dando meia-volta. Em pânico, centenas de torcedores foram pressionados contra os portões e quando a onda de pânico passou era possível ver diversas pessoas caídas (algumas mortas e a maioria ferida). Foram pelo menos 40 mortes e mais de 500 feridos. O árbitro teve que cancelar a partida e os jogadores do dois times fugiram para os vestiários. Depois de saírem do estádio, os torcedores do Sivas ainda destruíram 60 carros privados e o ginásio da cidade. Foram embora da cidade em um grande comboio e quando estavam a 50km da cidade, pararam na estrada e começaram a botar fogo em carros, caminhões e ônibus que tinham a placa de Kaysiri. #tragediascdf

DÉCIMA PRIMEIRA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA: 

DÉCIMA PRIMEIRA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA:
LOCAL: Cairo, Egito 🇪🇬
ESTÁDIO: Zamalek Stadium
DATA: 17/02/1974
JOGO: Zamalek SC 🇪🇬 X Dukla Prague 🇨🇿
NÚMERO DE MORTOS: Pelo menos 48
NÚMERO DE FERIDOS: 50
.
.
Para quem não leu sobre as outras tragédias, eu recomendo acessar a hashtag #tragediascdf antes de continuar aqui. Lá vocês vão encontrar as histórias de outras cinco tragédias que foram maiores que essa e se olharem atentamente, vão perceber também, que na verdade essa tragédia aqui é a segunda que ocorreu no Egito. A primeira tragédia que eu postei nessa série de reportagens, foi a de Port Said, sétima maior da história com mais de 70 mortos e 500 feridos, ou seja, muito mais pessoas que nesse acidente do Cairo. Mesmo assim essa tragédia aqui, ainda é um dos acidentes na história do futebol com maior número de fatalidades: foram pelo menos 48 (não se tem exatamente um número oficial, varia de 48 a 51), com 50 feridos. Fiz várias buscas pela Internet e realmente existem pouquíssimos registros e notícias sobre esse terrível e grave acidente. O que sabemos é que no dia 17 de fevereiro de 1974, uma partida amistosa ocorreria entre o Zamalek e um time da Tchecoslováquia, chamado Dukla Praga. Sim galera, o jogo não valia absolutamente nada e mesmo assim muitas pessoas perderam a vida naquele fatídico dia. Para quem não sabe, o Zamalek é um dos dez melhores clubes de futebol da África e já conquistou em sua história 26 Copas domésticas, 12 campeonatos egípcios, 5 Liga dos Campeões da África e 3 Supercopas da África. Realmente um baita currículo. Já o Dukla Praga que foi fundado em 1948, acabou sendo dissolvido em 1996 e virou o FK Příbram. E o que aconteceu nessa tragédia? O jogo estava marcado para um estádio bem maior chamado Nasser, que tem capacidade para 80 mil pessoas, porém ocorreu uma mudança (não descobri o motivo) e o jogo foi marcado para o estádio do Zamalek com capacidade para apenas 40 mil pessoas. Quando você coloca 80 mil em um estádio que comporta somente 40 mil, o resultado é óbvio: parte da estrutura do estádio não resisitu ao excesso de peso e acabou desabando, o que gerou uma debandada generalizada, muito tumulto e pisoteamento.

DÉCIMA MAIOR TRAGÉDIA:

DÉCIMA MAIOR TRAGÉDIA:
LOCAL: Bradford, Inglaterra 🏴󠁧󠁢󠁥󠁮󠁧󠁿
ESTÁDIO: Valley Parade
DATA: 11/05/1985
JOGO: Bradford City 🏴󠁧󠁢󠁥󠁮󠁧󠁿 X Lincoln City 🏴󠁧󠁢󠁥󠁮󠁧󠁿
NÚMERO DE MORTOS: 56
NÚMERO DE FERIDOS: 265
.
.
Para quem ainda não viu a série #tragediascdf eu recomendo ler também, as outras histórias que já postei. Vamos agora para a décima pior tragédia na história do futebol. No dia 11 de maio de 85 o clima era de festa na cidade de Bradford e a atmosfera dentro do estádio do clube mandante, Valley Parade, era ainda mais intensa. Era a última partida daquela temporada, que já tinha decretado como campeão o próprio Bradford. Onze mil torcedores estavam presentes e até os 40 minutos do primeiro tempo o placar seguia em zero a zero. O jogo era válido pela terceira divisão (na época) do campeonato inglês e quando faltavam 4 minutos para o intervalo, o comentarista de TV John Helm notou a presença de um pequeno foco de incêndio, três fileiras da parte de trás da arquibancada principal do Bloco G. A causa mais provável do incêndio foi um cigarro acesso, que se misturou a outros dejetos situados debaixo da arquibancada feita de madeira. O fogo se espalhou em uma velocidade incrível e em 4 minutos o telhados e arquibancadas estavam em chamas, enquanto jogadores, torcedores e a polícia tentavam desesperadamente salvar o máximo de pessoas possível. A arquibancada principal foi completamente destruída e 54 torcedores do Bradford e mais 2 do Lincoln perderam a vida, além dos 256 feridos com queimaduras de diversos graus. Testemunhas relatam pessoas esmagadas na correria e até um homem que invadiu o campo em chamas dos pés a cabeça. Metade dos mortos tinham menos de 20 anos ou mais de 70. A partida tinha cobertura da TV e quem quiser assistir ao vídeo do incêndio basta procurar no YouTube. Depois de 48 horas o Bradford criou um “Fundo de Suporte as Vítimas”, que conseguiu arrecadar 3.5 milhões de libras. Em julho de 85 foi feita uma cerimônia de serviço memorial, com um público de mais de 6 mil pessoas presentes no estádio. Alguns oficiais que salvaram vidas naquele fatídico dia, receberam medalhas pelo heroísmo. Até hoje essa tragédia não foi superada por muitos.

NONA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA: .

NONA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA: .
.
ESTÁDIO: Ibrox Park
LOCAL: Glasgow, Escócia
DATA: 2/1/1971
JOGO: Rangers X Celtic
NÚMERO DE MORTOS: +66
NÚMERO DE FERIDOS: +200 .
.
Mais de 66 pessoas perderam a vida e 200 ficaram feridas nesta tragédia ocorrida na Escócia. O ano era 1971, o jogo se tratava do maior clássico do país e de uma das maiores e mais antigas rivalidades que existem dentro do futebol até hoje. O jogo ocorreu no estádio do Rangers. A tragédia foi considerada a pior da história britânica e só foi ultrapassada em 1989, com o acidente de Hillsborough ocorrido na Inglaterra. Depois de muitos anos do acidente, o Rangers (dono do estádio) foi considerado culpado pelo ocorrido e processado por todos os parentes das vítimas. Antes deste acidente ocorrer, outras tragédias já haviam ocorrido no mesmo estádio e na mesma escadaria de número 13: em 1902 (desabamento de 1 arquibancada), em 1961 (2 pessoas morreram esmagadas nas escadarias), em 1967 (8 pessoas feridas ao sair do estádio pela mesma escadaria) e em 1969 (mais 26 pessoas feridas no mesmo local). Naquele sábado, mais de 80 mil torcedores estavam no estádio quando o Celtic abriu o placar aos 90 minutos de partida, fazendo com que muitos torcedores do Rangers deixassem o estádio. Porém, o Rangers empatou a partida aos 94 minutos de jogo (futebol sendo futebol) e isso gerou um belo tumulto na escadaria número 13 (a mesma que citei anteriormente). Existem 2 principais teorias sobre o que ocorreu: a primeira diz que um pai deixou seu filho pequeno cair de seus ombros enquanto descia a escada, o que ocasionou um parada abrupta do fluxo e por consequência a queda de várias pessoas escadaria a baixo, sendo eventualmente sufocados e pisoteados pelos torcedores que tentavam deixar o estádio (gol de empate do ainda não tinha saído), a segunda diz que quando o gol de empate saiu, vários torcedores resolveram voltar e bateram de frente com os que estavam tentando descer. O fato, é que as pessoas morream pisoteadas e asfixiadas. Só depois desta tragédia ocorrer, é que mudanças e melhorias foram feitas no estádio. Em 2001, um monumento foi erguido no estádio com o nome de todas as vitimas

OITAVA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA: 

OITAVA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA:
LOCAL: Moscou, Rússia
ESTÁDIO: Luzhniki
DATA: 20/10/1982
JOGO: Spartak Moscou 🇷🇺 X HFC Haarlem 🇳🇱
NÚMERO DE MORTOS: + 66
NÚMERO DE FERIDOS: 100 .
.
Esta tragédia, pode ter sido a maior já ocorrida na história do futebol. Eu disse pode, pois oficialmente foram “apenas” 66 mortos, enquanto extra-oficialmente foram em torno de 340. A tragédia ocorreu no estádio que será palco da final da Copa deste ano, que na época se chamava “Estádio Lenin”. A partida era entre o Spartak (mandante) e o HFC Haarlem (visitante), clube holandês que já não existe mais, válido pela segunda rodada da Copa da UEFA 1982-83. Fazia muito frio (-10°C), havia nevado bastante antes do início do jogo, o estádio não era coberto e por esta razão, as autoridades optaram por deixar apenas 2 arquibancadas de um total de 4, disponíveis aos torcedores (era muita neve para ser retirada). Eram esperados 80 mil torcedores, mas apenas 16.500 se aventuraram a ir assistir a partida. A arquibancada mais perto do acesso ao metrô, acabou ficando com 12 mil torcedores e a outra com os 4 mil restantes. O Spartak vencia por 1 a 0, muitos torcedores resolveram deixar o estádio pela rampa e rumar para o metrô, procurando fugir da multidão que se formaria após o apito final. Neste momento, uma série de erros e acidentes se iníciou: o Spartak fez mais um gol nos acréscimos, muitos torcedores resolveram voltar e bateram de frente com pessoas tentando sair, isso somado ao fato de uma das barras da rampa ter rompido, culminando na queda de torcedores no fosso e o asfixiamento de outros torcedores pela aglomeração que se formava. Foi a maior tragédia em um estádio da União Soviética e ela ficou marcada, pelas diversas tentativas do governo em encobrir tudo que ocorreu. Nos dias seguintes, a imprensa local sequer divulgava que pessoas haviam morrido e ficou por conta da impresa internacional, realmente divulgar para o mundo os acontecimentos trágicos daquela dia. Hoje, mais de 35 anos depois, investigações independentes apontam para cerca de 340 mortes. Nunca saberemos o número exato de mortes, mas se esta estimativa estiver correta, este foi a maior tragédia da história.

SEXTA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA:

SEXTA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA: .
.
ESTÁDIO: Monumental
LOCAL: Buenos Aires, Argentina
DATA: 23/6/1968
JOGO: River Plate X Boca Juniors
NÚMERO DE MORTOS: 74
NÚMERO DE FERIDOS: 150 .
.
Este é sem dúvida, um dos dez maiores clássicos do futebol mundial e uma das maiores rivalidades que existem neste esporte. Foram mais de 74 mortos e 150 feridos. Eu só coloco esta tragédia a frente da que já contei ocorrida no Egito (quem não leu ainda, vai no feed e leia), porque a maioria dos mortos foram adolescentes e jovens adultos. Aparentemente, espectadores estavam tentando deixar o estádio por um saída que se encontrava fechada, após o término da partida. Os torcedores que se encontravam lá na frente acabaram sendo literalmente esmagados contra os portões, pelas pessoas que vinham lá de trás e que não sabiam que os portões estavam fechados. Existem diversas teorias sobre o que exatamente ocorreu naquele fatídico dia. Alguns, afirmam que torcedores do Boca jogaram bandeiras do River em chamas das arquibancadas superiores, causando uma debandada em massa da torcida. Outros, afirmam que torcedores do River invadiram o espaço reservado ao Boca, causando uma debandada da torcida visitante. Alguns outros, falam que o portão 12 estava trancado e que os torcedores que vinham lá de trás não conseguiam escutar os da frente pedindo para eles pararem de avançar. O presidente do River na época, culpou a polícia, já que eles haviam começado a repremir fortemente a torcida do Boca, que estava arremessando urina das arquibancadas nos torcedores do River. Algumas testemunhas, afirmam que os portões estavam trancados pelo lado de fora por uma enorme barra de ferro. Depois de 3 anos de investigações o governo não identificou os culpados. Desde então, as saídas do Monumental foram alteradas de números para letras. A perícia constatou que a maioria dos mortos eram torcedores do Boca. Existem teorias que apontam que eram os próprios torcedores do River, quem estavam fechando o portão 12 por fora e outras que falam sobre crime político, já que a torcida do Boca gritou apoio a Perón (arqui-inimigo do então ditador Onganía). Não houveram indenizações significativas as familias das vítimas.

SÉTIMA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA

SÉTIMA MAIOR TRAGÉDIA DA HISTÓRIA:
LOCAL: Port Said, Egito
DATA: 1/2/2012
JOGO: Al-Masry X Al-Ahly
NÚMERO DE MORTOS: 74
NÚMERO DE FERIDOS: 500
.
.
Dia 1 de fevereiro de 2012, era para ser apenas mais um dia comum, dia de rodada do campeonato egípcio e dia de Al-Masry versus Al-Ahly. Infelizmente, este dia acabou entrando para história como um dos mais tristes e lamentáveis da história do futebol. O jogo foi disputado no estádio de Port Said, casa do Al-Masry, que tem capacidade para 17 mil pessoas e fica na região nordeste do país. O acontecimento daquela quarta-feira a noite, foi destaque nos principais jornais do mundo. Com 74 mortos e mais de 500 feridos, até o noticiário dos Estados Unidos, que normalmente é alheio ao esporte, deu grande destaque ao ocorrido. A tragédia ocorreu em uma época de grande insegurança e crise política no Egito, fator que com certeza teve grande contribuição para o ocorrido, principalmente se considerarmos que um ano atrás, o ditador Mubarak havia sido tirado do poder. Tudo começou assim que o árbitro apitou o final da partida, decretando a vitória dos mandantes por 3 a 1 sobre o Al-Ahly. Os torcedores do Al-Masry então, invadiram o campo e partiram para cima de jogadores e torcedores do Al-Ahly. Os jogadores buscaram se proteger nos vestiários, mas a torcida não tinha para onde ir e o fato de alguns portões do estádio ainda se encontrarem fechados, só piorou a situação ainda mais. No dia 20 de fevereiro de 2017, 5 anos após a tragédia, a mais alta corte de apelação egípcia acatou a sentença de morte imposta a 10 torcedores do Al-Masry. Inicialmente o pedido era para 21 torcedores pagarem com a vida, porém a justiça absolveu 11 deles. A decisão não permitia mais recursos e no total 73 pessoas foram acusadas pela tragédia. Entre os que receberam penas pequenas estão nove policiais, o chefe de segurança responsável pelo estádio e o diretor esportivo do Al Masry. Até hoje, esta é considerada a pior tragédia da história do futebol egípcio. Depois da tragédia, o campeonato nacional foi interrompido por 2 anos e a torcida do Al-Ahly jurou vingança ao Al-Masry. O Egito segue tendo uma das torcidas mais violentas do mundo.