ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA

NOME OFICIAL: Estádio Raimundo Sampaio
APELIDO: Estádio Independência
DONO: América Futebol Clube
MANDANTES: América e Atlético Mineiro
INAUGURADO: 25/06/1950
CAPACIDADE: 23.000 pessoas
LOCALIZAÇÃO: Belo Horizonte, Minas Gerais 🇧🇷
GRAMADO: Grama natural
#estadioscdf
.
.
PARTE I
Ninguém conhece esse estádio por Raimundo Sampaio, mas sim como Estádio Independência. Localizado no bairro do Horto, em Belo Horizonte, foi construído entre 1947 e 1950 para receber partidas da Copa do Mundo de 1950. Em 2012, após diversas reformas de modernização, foi rebatizado como Arena Independência. Essas reformas aumentaram a segurança e o conforto, mas também reduziram a capacidade de 30 mil para 23 mil pessoas. O motivo do apelido “Independência”, se dá pois no passado o estádio pertenceu ao Sete de Setembro Futebol Clube, já o nome original é uma homenagem a um ex-presidente do Sete de Setembro. Apesar de ser frequentemente utilizado pelo Atlético-MG, atualmente ele é propriedade do América. Além de Independência, ele também é chamado de “Horto” e “Arapuca”. O Estádio recebeu uma serie de shows musicais entre 1997 e 2000, e também a partir da reforma de 2012. A inauguração ocorreu no dia 25/06/50, quando a Iugoslávia fez 3 a 0 na Suíça. Naquele mundial o estádio também recebeu Estados Unidos 1 a 0 na Inglaterra e Uruguai 8 a 0 na Bolívia. Inicialmente o estádio pertencia ao Governo do estado, mas depois que o Mineirão foi inaugurado em 1965, ele passou a ser propriedade do clube Sete de Setembro. Em 1997 o América incorporou o Sete de Setembro, que estava falido e endividado, fazendo com que o estádio fosse agora de sua propriedade. O recorde de público é de 32.721 espectadores, registrados na partida da Seleção Mineira contra a Seleção Guanabara (Carioca) em 27 de janeiro de 1963. Em 2008 o Governo fechou um convênio com o América, onde ficaria com a administração do estádio por 20 anos e em contrapartida realizaria uma enorme reforma no estádio. O custo inicial da reforma era de R$ 31 milhões, mas acabou sendo de quase R$ 100 milhões. Para a reforma o estádio foi totalmente demolido, com exceção dos vestiários. O Governo abriu licitação e hoje é a BWA quem o administra.

Estádio Municipal Jacy Scaff (Estádio do Café)

NOME OFICIAL: Estádio Municipal Jacy Scaff
APELIDO: Estádio do Café
DONO: Prefeitura de Londrina
MANDANTES: Londrina/Associação Portuguesa Londrinense
INAUGURADO: 22/08/1976
CAPACIDADE: 30.000 pessoas
LOCALIZAÇÃO: Londrina, Paraná, 🇧🇷
GRAMADO: Grama natural
#estadioscdf
.
.
O Estádio Municipal Jacy Scaff é conhecido por todos como “Estádio do Café” e fica localizado a 4km do centro da cidade, na região norte de Londrina, Paraná (bem ao lado do Autódromo Internacional Ayrton Senna). O estádio tem o formato de uma ferradura e a abertura fica voltada exatamente para o centro, portanto das arquibancadas é possível ter uma bela vista da cidade. A inauguração ocorreu no dia 22 de agosto de 1976, quando mais de 49 mil torcedores foram assistir o Londrina enfrentar o grande e poderoso Flamengo de Zico e Júnior. Antes da bola rolar, a Banda dos Fuzileiros Navais do Rio de Janeiro realizou uma apresentação de inauguração. Essa partida inaugural terminou em 1 a 1 e o jogador Paraná do Londrina, foi o primeiro a marcar um gol oficial no estádio. A renda dessa partida foi de Cr$ 857.720,00, batendo vários recordes na época. Três dias após essa partida, o sistema de iluminação também foi inaugurado com sucesso no jogo do Londrina contra o Corinthians. A grama é natural e as dimensões do campo são: 105 X 68 m. O recorde de público ocorreu em fevereiro de 1978, quando 54.178 torcedores assistiram o Londrina bater o Corinthians por 1 a 0. Além do Londrina, que atualmente disputa a série B, a Associação Portuguesa Londrinense, que disputa a segunda divisão estadual, também manda seus jogos aqui. O estádio foi construído as pressas, depois que o Londrina foi convidado para disputar a serie A do campeonato brasileiro de 1976 e possuía capacidade de 45 mil pessoas na época de sua inauguração. Naquele ano de 76 o clube investiu pesado não só no estádio, mas também em contratações. Jacy Scaff (nome oficial do estádio), era presidente do Londrina na época da construção. É possível que o estádio tenha a forma de ferradura, pois na época existia uma banca de apostas do jogo do bicho chamada de Ferradura. A banca era muito popular e liderada exatamente por Jacy, que faleceu em 86.

Mineirão Parte II

CONTINUAÇÃO. A partida inaugural foi realizada no dia 5/9/65, com um jogo entre uma seleção mineira e o River Plate. Naquele dia, 73.201 pessoas entraram para a história desse estádio e assistiram à vitória dos brasileiros por 1 a 0. O maior público que o Mineirão já recebeu aconteceu no dia 22/6/97, quando Cruzeiro e Vila Nova se enfrentaram pela final do Campeonato Mineiro. Nesse dia, foi registrado o chocante público de 132.834 pessoas. Bem difícil de imaginar isso em dias atuais, não? 57.977 pessoas não pagaram pelos ingressos naquele dia, por se tratarem de mulheres e crianças (ação promocional). A partida com maior público de um clube brasileiro na Libertadores aconteceu no Mineirão: 106.853 pessoas em 1997 (finalíssima entre Cruzeiro e Sporting Cristal). Depois da escolha do Brasil como sede da Copa de 2014, o estádio passou por uma gigantesca reforma e sua capacidade foi drasticamente reduzida para 62.547 torcedores. O estacionamento também foi remodelado e passou a ter 2.878 vagas, além de contar com dois gigantescos telões de 98 metros quadrados. Na parte de infra-estrutura o estádio conta com 60 bares e restaurantes, além de vestiários equipados com 12 chuveiros, hidromassagens, salas de aquecimento e salas de uso exclusivo da comissão técnica. Todos os anos o Mineirão costuma ser palco de inúmeros shows e festivais: Kiss, Elton John, Beyoncé e Pearl Jam, são exemplos de bandas que já se apresentaram no estádio. Assim como temos em grandes estádios pelo mundo, como o San Siro e o Camp Nou, existe um museu no Mineirão que conta tudo sobre sua história. Você, que assim como eu, é movido por futebol com certeza deve visitar esse museu quando for para Belo Horizonte. Uma das partes mais legais do museu, é uma sala que possuí registros das quase 4 mil partidas que aconteceram no estádio, desde sua inauguração até o fechamento para a reforma pré-Copa do Mundo. Assim como o Maracanã, esse estádio é especial demais e representa muito, parte da história do futebol brasileiro. Nunca iremos nos esquecer dos 7×1, mas esse estádio sempre será símbolo desse esporte e um orgulho para os belo-horizontino. #futebolbrasileiro
#estadioscdf #mineirao #belohorizonte

GOVERNADOR MAGALHÃES PINTO 

NOME OFICIAL: GOVERNADOR MAGALHÃES PINTO
DONO: Governo de Minas Gerais
MANDANTES: Cruzeiro e Atlético-MG
INAUGURADO: 1965
CAPACIDADE: 62.547
LOCALIZAÇÃO: Belo Horizonte
APELIDO: Gigante da Pampulha e Mineirão .
.
Oficialmente o nome é Estádio Governador Magalhães Pinto, mas ele é realmente conhecido por todos nós como: Mineirão. Este é sem dúvidas um dos mais importantes e mais famosos estádios do nosso país, além de ser bastante conhecido no exterior (principalmente pela sua beleza). O estádio fica na região da Pampulha, em Belo Horizonte e é o quinto maior do Brasil em termos de capacidade (62.547 mil pessoas). Por ser um estádio inaugurado em 1965 carrega muita história e já foi palco de várias decisões importantes como: 5 finais de Libertadores, 1 Copa Intercontinental e a semifinal da Copa de 2014, quando o Brasil sofreu uma das maiores humilhações da história, para não falar a maior (apelidada de Mineraço). Em 2003, se tornou Patrimônio Cultural do Município de Belo Horizonte e em 2016, Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Esse maravilhoso estádio foi projetado pelo mais renomado arquiteto da história do Brasil: Oscar Niemeyer, que o fez sob encomenda de Juscelino Kubitschek. O Mineirão foi considerado um dos 100 melhores estádio do mundo pela revista britanica Four Four Two, ficando com a posição de número 98. O projeto de Niemeyer incluía a construção de ruas, casas, lago artificial, cassino e igreja. Como os clubes da cidade de Belo Horizonte jogavam em pequenos estádios na época, o governo sabia que um estádio de grande porte seria necessário para acompanhar o crescimento da população local e o melhor lugar para construí-lo seria certamente a região da Pampulha. Desde o início a mensagem era clara: o Mineirão estava lá para rivalizar com o Maracanã. O complexo esportivo ali era tão parecido com o do Rio de Janeiro, que até o “Mineirinho” ficou ao lado da imponente construção. As construções do estádio começaram em 1959, mas o projeto antecedeu a sua inauguração em 25 anos, já que foi na década de 40 que as ideias para construir o estádio começaram a fluir. Um estádio feito, para acompanhar a evolução do futebol mineiro. CONTINUA…. #estadioscdf

National Stadium – Taiwan

NOME OFICIAL: National Stadium
DONO: Governo de Taiwan
MANDANTES: Seleção Chinesa de Taipei
INAUGURADO: 2009
CAPACIDADE: 55.000 pessoas
LOCALIZAÇÃO: Kaohsiung; Taiwan 🇹🇼
.
.
O futebol é um dos esportes mais praticados no mundo e por isso existem muitos estádios pelos quatro cantos do planeta. A grande maioria deles são bem parecidos entre sí, principalmente no que se refere ao design, mas existem diversos estádios por aí que são simplesmente únicos (em todos os sentidos). Um ótimo exemplo é o Estádio Nacional, que fica no leste da Ásia, mais precisamente em Taiwan. Antes, ele era conhecido como: O Estádio dos Jogos Mundiais. Isso porque foi inaugurado em 2009 para receber os “Jogos Mundiais” (competição mundial com modalidades que não são praticadas nas Olimpíadas). O estádio fica em Kaohsiung e é utilizado para a prática de múltiplas modalidades esportivas e não apenas para o futebol (apesar do futebol ser o mais praticado nele). Atualmente é o maior estádio de Taiwan em termos de capacidade, que é de 55.000 pessoas. O estádio foi projetado por um japonês chamado Toyo Ito e tem uma característica muito especial: ele trabalha com energia solar. Isso mesmo pessoal, inclusive ele carrega o titulo de primeiro do mundo 100% alimentado por Energia Solar. Se observarem na foto atentamente vão ver que seu vasto exterior é coberto por painéis, estes alimentam 3,3 mil lâmpadas em todo o estádio, além dos dois enormes telões que transmitem os jogos. Agora, sabe quantos painéis têm nessa cobertura? Chuta aí. Provavelmente você errou. Pasmem senhores: são 8844 painéis solares! Para quem defende um mundo mais limpo e com menos poluição, saiba que no caso do Estádio Nacional, por conta desses painéis e da tecnologia empregada, mais de 660,000 quiilos de CO2 deixam de circular na atmosfera por ano. Realmente deveriam existir vários outros estádios como esse pelo mundo, mesmo porque, além dele ser extremamente tecnológico e ajudar o meio-ambiente, ainda possuí um design moderno e bem arrojado. Algo que me surpreendeu muito, foi o fato de termos o primeiro estádio 100% abastecido por energia solar, localizado em um país que não tradição alguma no futebol. #estadioscdf

Red Bull Arena Parte II

CONTINUAÇÃO. A Arena Red Bull fica ao leste do centro da cidade e também da principal estação ferroviária. A caminhada de 2 km não demora mais do que meia hora para ser completada. Alternativamente, é possível pegar um bonde que sai da estação central e leva apenas 7 minutos para chegar ao estádio. Em termos de localização, o estádio fica em uma área residencial e é possível encontrar um ou outro bar/restaurante nos bairros próximos. A UEFA classificou esse estádio como categoria 4 (vai de 1 a 4), que é a mais alta dentre todas as possíveis, portanto em termos de infra-estrutura a Arena Red Bull não deixa a desejar.
Em 2014 o estádio foi rankeado como o décimo sétimo melhor da Alemanha, basesdo em quesitos como: capacidade, média de público, segurança, e número de eventos. O sistema de iluminação é integrado ao teto e seu desenho foi feito para melhorar a acústica o máximo possível. O campo tem a dimensão de 105 m × 68 m. Uma coisa que me chamou bastante atenção nesse estádio, principalmente nas fotos de tomadas aéreas, é a grande quantidade de vegetação no entorno dele, principalmente porque de alguma forma, na minha opinião, isso fez ele ficar ainda mais bonito. Vários concertos/shows de bandas e artistas famosos já ocorreram na Arena Red Bull:  Tina Turner,  Paul McCartney,  Bon Jovi, AC/DC, Coldplay. Até agosto do ano passado o nome e o time do Red Bull Leipzig eram da empresa de bebidas, mas o estádio não era. Isso mudou em outubro do ano passado, quando a empresa austríaca acertou acordo pela compra do estádio por um valor próximo aos 70 milhões de euros ao então proprietário, o empresário Michael Kölmel. Oficialmente, os valores não foram divulgados. Para o negócio ser concluído, foi necessário aprovação da Câmara Municipal de Leipzig e a comprovação de que o clube não tinha qualquer intenção de mudar sua sede pelos próximos 30 anos. O próximo passo da Red Bull é aumentar a capacidade do estádio, que tem, em média, mais de 40 mil espectadores por jogo. A ideia é aumentar a capacidade para 50 mil pessoas até 2021. Enquanto isso o RB Leipzig cativa cada vez mais torcedores, principalmente depois do vice-campeonato alemão da última temporada.

 

Red Bull Arena 

NOME OFICIAL: Red Bull Arena
DONO: Red Bull
MANDANTES: Red Bull Leipzig e Seleção Alemã
INAUGURADO: 2004
CAPACIDADE: 42.959
LOCALIZAÇÃO: Leipzig, Alemanha 🇩🇪 .
.
O que o dinheiro não faz em um clube de futebol né pessoal? Pois é, a história do Red Bull Leipzig depois será contada nos mínimos detalhes aqui na minha página. Dessa vez vamos focar na história do estádio deles, que até o ano de 2010 era chamado de Zentralstadion. Com a escolha da Alemanha para sediar a Copa do Mundo de 2006, sendo Leipzig uma das cidades-sede, o comitê organizador do evento optou pela demolição total do estádio. Em seu lugar entre 2000 e 2004, foi realizada a construção dessa nova Arena. Apenas a parte “verde” ao redor do antigo estádio foi preservada durante o período de demolição e construção. A nova Arena foi inaugurada no verão de 2004 e o custo total do projeto ficou em 116 milhões de euros. Durante a Copa de 2006, o estádio sediou quatro partidas da fase de grupos e também, a partida entre Argentina e México pelas oitavas de final (partida vencida pelos hermanos por 2 a 1). Um clube de menor expressão também da cidade de Leipzig, chegou a utilizar o estádio e mandar seus jogos lá entre 2004 e 2007, porém com o baixo público aderindo a essa mudança para um estádio bem maior, eles acabaram se vendo obrigados a abandonar essa ideia e retornar ao seu antigo estádio. No final de 2009 uma grande mudança aconteceu, quando o grupo da Red Bull assumiu o controle total do SVV Markranstadt, clube da quinta divisão alemã. Com essa aquisição, agora o estádio tinha um novo clube mandante e também um novo nome, já que no mesmo período a empresa de bebidas acabou comprando o Naming Rights por um período de 30 anos. Com o rápido sucesso do Red Bull Leipzig, que saiu da quinta divisão e foi subindo sem parar de divisões, a ideia da Red Bull era adquirir 100% dos direitos do estádio e realizar mais reformas e melhorias nele. Lembrando que este é um dos três estádios no mundo com o nome de Red Bull, os outros dois estão na Áustria e nos Estados Unidos, além de ser o maior estádio do lado leste da Alemanha. Na próxima parte vou continuar contando mais sobre o estádio. #estadioscdf
  • mauricioxciBem legal, parabéns pela postagem
  • danielalvim27Fazem um Esquadrão Invencível com o Milan, quando eles dominaram a Europa!
  • victorhugoncjOu seja, nem sempre quando uma empresa “compra” um time de futebol é para fins negativos. Afinal, com o RB Leipzig na Bundesliga essa região da Alemanha pode receber jogos do primeiro nível do campeonato nacional.
  • lincolnoriajSó uma correção: o nome do clube não é Red Bull Leipzig, é RasenBallsport Leipzig. Belíssimo post 👏🏻
  • iagof___RB scheiss
  • clubes_defutebol@lincolnoriajcorretissimo, mas eu não errei não… esse é o nome oficial dele. Porém o que acontece é que na verdade ele é conhecido tanto na Alemanha e no resto do mundo como Red Bull Leipzig. Ninguem chama ele de RasenBallsport. Eles abreviam para RB Leipzig e ai as pessoas acabam assimilando com Red Bull por isso passaram a ficara conhecidos assim. Então é como se tivessem um nome fantasia.

Estádio Georgios Karaiskakis Parte III

CONTINUAÇÃO. No nível do campo o estádio possuí corredores de acesso em formato redondo, o que aumenta a segurança durante o deslocamento das pessoas em uma partida. Várias placas de sinalização facilitam o acesso e fluxo de pessoas portando credenciais especiais, além disso o Karaiskakis possuí 20 escadarias, 1 rampa de acesso e uma ponte que conecta o estádio a estação de trem local. Nos últimos 3 andares do prédio principal temos uma série de ambientes para VIPs como: camarotes individuais, camarotes corporativos, Champions Club, 40 suítes, cabines de transmissão de TVs e rádios, além da sala de controle geral. Apesar do Olympiacos ter gasto 20 milhões de euros na reconstrução, o clube só tem concessão dele até 2052. Existe uma cláusula no contrato entre o Olympiacos e o Comitê Olímpico, que garante o direito de utilização do estádio pelo clube Ethnikos (atualmente na terceira divisão), sem custo algum caso eles desejem mandar suas partidas lá. Depois do sucesso da Grécia na Eurocopa de 2004, a seleção grega começou a mandar seus jogos sempre neste estádio e quase sempre, a receber capacidade máxima nas suas partidas. Em 2005, o estádio se transformou em um gigantesco cinema a céu aberto e ao longos desses últimos anos, também recebeu diversos shows musicais de grandes artistas como: Rhianna, Aerosmith e 50 Cent. Os torcedores do Olympiacos apelidaram o estádio carinhosamente de “O Templo”. O acesso até o estádio pode ser feito através do sistema de transporte público e demora apenas 15 minutos se você vier do centro de Atenas. Ano passado surgiram rumores de que o Olympiacos, que é um dos principais clubes da Grécia, poderia ficar sem poder mandar seus jogos no estádio devido a dívida feita e não paga do financiamento feito em 2003, para a construção do novo estádio (algo próximo dos 20 milhões de euros). Ao que tudo indica, esta situação já foi resolvida e o Olympiacos continua mandando seus jogos em uma das mais bonitas e modernas arenas da Europa. Lembrando que o estádio ainda conta com o Museu do Olympiacos, que conta tudo sobre a história do clube em todas as modalidades que ele disputa e não somente sobre o futebol. #estadioscdf

Estádio Georgios Karaiskakis Parte II

CONTINUAÇÃO. Das 21 pessoas que perderam a vida no acidente, 20 delas eram torcedores do Olympiacos e apenas uma torcia para o AEK. Não vou entrar muito na questão da tragédia ocorrida, pois vou detalha-la quando for tratar deste episódio em minha serie sobre as grandes tragédias dentro do futebol. Depois da tragédia, uma das torcidas organizadas do clube mudou seu nome e passou a se chamar “Portão 7”. Como a Grécia foi eleita sede das Olimpíadas de 2004, o governo grego decidiu que seria melhor demolir e reconstruir completamente o estádio, do que apenas realizar improvisações e reformas de melhoria para o evento. A reconstrução completa dele durou apenas 14 meses, foram gastos em torno de 60 milhões de euros e em junho de 2004 o ultramoderno estádio foi inaugurado. O novo estádio possuí 2 diferentes homengens ao acidente do “portão 7” : a primeira é na parte externa do estádio, onde existe um monumento em homenagem aos 21 mortos da triste tragédia de 1981 e o segundo é na parte interna, onde 21 assentos do setor próximo ao portão 7 estão pintados de preto (ao invés do vermelho), formando um mosaico do número sete. O novo estádio Karaiskakis agora tem 32.115 assentos totalmente cobertos e é considerado um estádio categoria 4 pela UEFA (lembrando que a categoria mais alta é a 5). O desenho da construção inclui o edifício principal e instalações de treino, assim como a zona adjacente ao estádio. O desenho do estádio cumpre todas as normas para garantir as melhores condições para quem vai praticar ou assistir a uma partida de futebol, que com esta reconstrução de 2004 se tornou um local 100% exclusivo para a prática do esporte (atletismo eliminado). O elemento mais utilizado em sua construção foi o aço e boa parte dos 60 milhões de euros investidos no novo estádio foram gastos em aprimorados sistemas de áudio, iluminação e também, na cobertura. Inclusive, é importante destacar que dos 60 milhões de euros, vinte deles vieram do Olympiacos F.C. Existem 34 portões, 24 banheiros e 12 bares de serviços alimentícios, além de toda uma infra-estrutura para deficientes físicos. Na próxima e última parte vamos contar mais sobre este imponente estádio grego. CONTINUA….

Estádio Georgios Karaiskakis

NOME OFICIAL: Estádio Georgios Karaiskakis
DONO: Comitê Olímpico Helênico
MANDANTES: Seleção da Grécia e Olympiacos F.C
INAUGURADO: 1896 (122 anos)
CAPACIDADE: 32.115
LOCALIZAÇÃO: Piraeus, Grécia 🇬🇷
.
.
A minha página segue agora para a Grécia, considerada o berço da civilização ocidental, para contar a história de mais um estádio. Quem não leu sobre os outros estádios que já postei e quiser dar uma fuçada, segue a hashtag: #estadioscdf .
.
.
Este é um dos meus estádios favoritos na Europa, principalmente pela força que ele traz ao Olympiacos F.C e por possuír muita história, afinal ele está de pé a 122 anos, (foi 100% reconstruido em 2004) o que faz dele um dos mais antigos palcos de futebol do velho continente. Construído em 1895 como um “velódromo” (estádio de ciclismo) para as Olimpíadas de 1896, o estádio foi erguido em um terreno que era propriedade de uma companhia ferroviária local e que acabou fazendo uma doação do espaço para o Comitê dos Jogos Olímpicos. A primeira vez que o velódromo foi utilizado como estádio de futebol aconteceu somente em 1920. Depois de 40 anos, em 1960, uma grande reforma ocorreu para transformar o local em um verdadeiro estádio feito para a prática do Futebol e também do Atletismo. Foi neste momento que recebeu o nome de Georgios Karaiskakis, em uma homenagem ao grande combatente e comandante militar grego George Karaiskakis, morto próximo ao estádio durante a Revolução Grega de 1821 (Guerra da Independência). O estádio fica localizado na cidade portuária de Pireu, que fica na região metropolitana de Atenas. Infelizmente este estádio foi palco de uma grave tragédia, na verdade a maior dentro do futebol grego e uma das maiores do mundo, ocorrida no dia 8 de fevereiro de 1981, com 21 fatalidades e mais de 55 feridos. O acidente que acabou ficando conhecido como “Acidente do Portão 7”, ocorreu ao final de uma partida entre o Olympiacos e o AEK Atenas, que terminou com vitória do Olympiacos por 6 a 0. O motivo do acidente é bem similar ao ocorrido em Buenos Aires na partida entre River X Boca, que eu contei na série das tragédias (quem não leu ainda, sugiro que leia agora e depois continue aqui). CONTINUA