Red Bull Arena Parte II

CONTINUAÇÃO. A Arena Red Bull fica ao leste do centro da cidade e também da principal estação ferroviária. A caminhada de 2 km não demora mais do que meia hora para ser completada. Alternativamente, é possível pegar um bonde que sai da estação central e leva apenas 7 minutos para chegar ao estádio. Em termos de localização, o estádio fica em uma área residencial e é possível encontrar um ou outro bar/restaurante nos bairros próximos. A UEFA classificou esse estádio como categoria 4 (vai de 1 a 4), que é a mais alta dentre todas as possíveis, portanto em termos de infra-estrutura a Arena Red Bull não deixa a desejar.
Em 2014 o estádio foi rankeado como o décimo sétimo melhor da Alemanha, basesdo em quesitos como: capacidade, média de público, segurança, e número de eventos. O sistema de iluminação é integrado ao teto e seu desenho foi feito para melhorar a acústica o máximo possível. O campo tem a dimensão de 105 m × 68 m. Uma coisa que me chamou bastante atenção nesse estádio, principalmente nas fotos de tomadas aéreas, é a grande quantidade de vegetação no entorno dele, principalmente porque de alguma forma, na minha opinião, isso fez ele ficar ainda mais bonito. Vários concertos/shows de bandas e artistas famosos já ocorreram na Arena Red Bull:  Tina Turner,  Paul McCartney,  Bon Jovi, AC/DC, Coldplay. Até agosto do ano passado o nome e o time do Red Bull Leipzig eram da empresa de bebidas, mas o estádio não era. Isso mudou em outubro do ano passado, quando a empresa austríaca acertou acordo pela compra do estádio por um valor próximo aos 70 milhões de euros ao então proprietário, o empresário Michael Kölmel. Oficialmente, os valores não foram divulgados. Para o negócio ser concluído, foi necessário aprovação da Câmara Municipal de Leipzig e a comprovação de que o clube não tinha qualquer intenção de mudar sua sede pelos próximos 30 anos. O próximo passo da Red Bull é aumentar a capacidade do estádio, que tem, em média, mais de 40 mil espectadores por jogo. A ideia é aumentar a capacidade para 50 mil pessoas até 2021. Enquanto isso o RB Leipzig cativa cada vez mais torcedores, principalmente depois do vice-campeonato alemão da última temporada.

 

Red Bull Arena 

NOME OFICIAL: Red Bull Arena
DONO: Red Bull
MANDANTES: Red Bull Leipzig e Seleção Alemã
INAUGURADO: 2004
CAPACIDADE: 42.959
LOCALIZAÇÃO: Leipzig, Alemanha 🇩🇪 .
.
O que o dinheiro não faz em um clube de futebol né pessoal? Pois é, a história do Red Bull Leipzig depois será contada nos mínimos detalhes aqui na minha página. Dessa vez vamos focar na história do estádio deles, que até o ano de 2010 era chamado de Zentralstadion. Com a escolha da Alemanha para sediar a Copa do Mundo de 2006, sendo Leipzig uma das cidades-sede, o comitê organizador do evento optou pela demolição total do estádio. Em seu lugar entre 2000 e 2004, foi realizada a construção dessa nova Arena. Apenas a parte “verde” ao redor do antigo estádio foi preservada durante o período de demolição e construção. A nova Arena foi inaugurada no verão de 2004 e o custo total do projeto ficou em 116 milhões de euros. Durante a Copa de 2006, o estádio sediou quatro partidas da fase de grupos e também, a partida entre Argentina e México pelas oitavas de final (partida vencida pelos hermanos por 2 a 1). Um clube de menor expressão também da cidade de Leipzig, chegou a utilizar o estádio e mandar seus jogos lá entre 2004 e 2007, porém com o baixo público aderindo a essa mudança para um estádio bem maior, eles acabaram se vendo obrigados a abandonar essa ideia e retornar ao seu antigo estádio. No final de 2009 uma grande mudança aconteceu, quando o grupo da Red Bull assumiu o controle total do SVV Markranstadt, clube da quinta divisão alemã. Com essa aquisição, agora o estádio tinha um novo clube mandante e também um novo nome, já que no mesmo período a empresa de bebidas acabou comprando o Naming Rights por um período de 30 anos. Com o rápido sucesso do Red Bull Leipzig, que saiu da quinta divisão e foi subindo sem parar de divisões, a ideia da Red Bull era adquirir 100% dos direitos do estádio e realizar mais reformas e melhorias nele. Lembrando que este é um dos três estádios no mundo com o nome de Red Bull, os outros dois estão na Áustria e nos Estados Unidos, além de ser o maior estádio do lado leste da Alemanha. Na próxima parte vou continuar contando mais sobre o estádio. #estadioscdf
  • mauricioxciBem legal, parabéns pela postagem
  • danielalvim27Fazem um Esquadrão Invencível com o Milan, quando eles dominaram a Europa!
  • victorhugoncjOu seja, nem sempre quando uma empresa “compra” um time de futebol é para fins negativos. Afinal, com o RB Leipzig na Bundesliga essa região da Alemanha pode receber jogos do primeiro nível do campeonato nacional.
  • lincolnoriajSó uma correção: o nome do clube não é Red Bull Leipzig, é RasenBallsport Leipzig. Belíssimo post 👏🏻
  • iagof___RB scheiss
  • clubes_defutebol@lincolnoriajcorretissimo, mas eu não errei não… esse é o nome oficial dele. Porém o que acontece é que na verdade ele é conhecido tanto na Alemanha e no resto do mundo como Red Bull Leipzig. Ninguem chama ele de RasenBallsport. Eles abreviam para RB Leipzig e ai as pessoas acabam assimilando com Red Bull por isso passaram a ficara conhecidos assim. Então é como se tivessem um nome fantasia.

Estádio Georgios Karaiskakis Parte III

CONTINUAÇÃO. No nível do campo o estádio possuí corredores de acesso em formato redondo, o que aumenta a segurança durante o deslocamento das pessoas em uma partida. Várias placas de sinalização facilitam o acesso e fluxo de pessoas portando credenciais especiais, além disso o Karaiskakis possuí 20 escadarias, 1 rampa de acesso e uma ponte que conecta o estádio a estação de trem local. Nos últimos 3 andares do prédio principal temos uma série de ambientes para VIPs como: camarotes individuais, camarotes corporativos, Champions Club, 40 suítes, cabines de transmissão de TVs e rádios, além da sala de controle geral. Apesar do Olympiacos ter gasto 20 milhões de euros na reconstrução, o clube só tem concessão dele até 2052. Existe uma cláusula no contrato entre o Olympiacos e o Comitê Olímpico, que garante o direito de utilização do estádio pelo clube Ethnikos (atualmente na terceira divisão), sem custo algum caso eles desejem mandar suas partidas lá. Depois do sucesso da Grécia na Eurocopa de 2004, a seleção grega começou a mandar seus jogos sempre neste estádio e quase sempre, a receber capacidade máxima nas suas partidas. Em 2005, o estádio se transformou em um gigantesco cinema a céu aberto e ao longos desses últimos anos, também recebeu diversos shows musicais de grandes artistas como: Rhianna, Aerosmith e 50 Cent. Os torcedores do Olympiacos apelidaram o estádio carinhosamente de “O Templo”. O acesso até o estádio pode ser feito através do sistema de transporte público e demora apenas 15 minutos se você vier do centro de Atenas. Ano passado surgiram rumores de que o Olympiacos, que é um dos principais clubes da Grécia, poderia ficar sem poder mandar seus jogos no estádio devido a dívida feita e não paga do financiamento feito em 2003, para a construção do novo estádio (algo próximo dos 20 milhões de euros). Ao que tudo indica, esta situação já foi resolvida e o Olympiacos continua mandando seus jogos em uma das mais bonitas e modernas arenas da Europa. Lembrando que o estádio ainda conta com o Museu do Olympiacos, que conta tudo sobre a história do clube em todas as modalidades que ele disputa e não somente sobre o futebol. #estadioscdf

Estádio Georgios Karaiskakis Parte II

CONTINUAÇÃO. Das 21 pessoas que perderam a vida no acidente, 20 delas eram torcedores do Olympiacos e apenas uma torcia para o AEK. Não vou entrar muito na questão da tragédia ocorrida, pois vou detalha-la quando for tratar deste episódio em minha serie sobre as grandes tragédias dentro do futebol. Depois da tragédia, uma das torcidas organizadas do clube mudou seu nome e passou a se chamar “Portão 7”. Como a Grécia foi eleita sede das Olimpíadas de 2004, o governo grego decidiu que seria melhor demolir e reconstruir completamente o estádio, do que apenas realizar improvisações e reformas de melhoria para o evento. A reconstrução completa dele durou apenas 14 meses, foram gastos em torno de 60 milhões de euros e em junho de 2004 o ultramoderno estádio foi inaugurado. O novo estádio possuí 2 diferentes homengens ao acidente do “portão 7” : a primeira é na parte externa do estádio, onde existe um monumento em homenagem aos 21 mortos da triste tragédia de 1981 e o segundo é na parte interna, onde 21 assentos do setor próximo ao portão 7 estão pintados de preto (ao invés do vermelho), formando um mosaico do número sete. O novo estádio Karaiskakis agora tem 32.115 assentos totalmente cobertos e é considerado um estádio categoria 4 pela UEFA (lembrando que a categoria mais alta é a 5). O desenho da construção inclui o edifício principal e instalações de treino, assim como a zona adjacente ao estádio. O desenho do estádio cumpre todas as normas para garantir as melhores condições para quem vai praticar ou assistir a uma partida de futebol, que com esta reconstrução de 2004 se tornou um local 100% exclusivo para a prática do esporte (atletismo eliminado). O elemento mais utilizado em sua construção foi o aço e boa parte dos 60 milhões de euros investidos no novo estádio foram gastos em aprimorados sistemas de áudio, iluminação e também, na cobertura. Inclusive, é importante destacar que dos 60 milhões de euros, vinte deles vieram do Olympiacos F.C. Existem 34 portões, 24 banheiros e 12 bares de serviços alimentícios, além de toda uma infra-estrutura para deficientes físicos. Na próxima e última parte vamos contar mais sobre este imponente estádio grego. CONTINUA….

Estádio Georgios Karaiskakis

NOME OFICIAL: Estádio Georgios Karaiskakis
DONO: Comitê Olímpico Helênico
MANDANTES: Seleção da Grécia e Olympiacos F.C
INAUGURADO: 1896 (122 anos)
CAPACIDADE: 32.115
LOCALIZAÇÃO: Piraeus, Grécia 🇬🇷
.
.
A minha página segue agora para a Grécia, considerada o berço da civilização ocidental, para contar a história de mais um estádio. Quem não leu sobre os outros estádios que já postei e quiser dar uma fuçada, segue a hashtag: #estadioscdf .
.
.
Este é um dos meus estádios favoritos na Europa, principalmente pela força que ele traz ao Olympiacos F.C e por possuír muita história, afinal ele está de pé a 122 anos, (foi 100% reconstruido em 2004) o que faz dele um dos mais antigos palcos de futebol do velho continente. Construído em 1895 como um “velódromo” (estádio de ciclismo) para as Olimpíadas de 1896, o estádio foi erguido em um terreno que era propriedade de uma companhia ferroviária local e que acabou fazendo uma doação do espaço para o Comitê dos Jogos Olímpicos. A primeira vez que o velódromo foi utilizado como estádio de futebol aconteceu somente em 1920. Depois de 40 anos, em 1960, uma grande reforma ocorreu para transformar o local em um verdadeiro estádio feito para a prática do Futebol e também do Atletismo. Foi neste momento que recebeu o nome de Georgios Karaiskakis, em uma homenagem ao grande combatente e comandante militar grego George Karaiskakis, morto próximo ao estádio durante a Revolução Grega de 1821 (Guerra da Independência). O estádio fica localizado na cidade portuária de Pireu, que fica na região metropolitana de Atenas. Infelizmente este estádio foi palco de uma grave tragédia, na verdade a maior dentro do futebol grego e uma das maiores do mundo, ocorrida no dia 8 de fevereiro de 1981, com 21 fatalidades e mais de 55 feridos. O acidente que acabou ficando conhecido como “Acidente do Portão 7”, ocorreu ao final de uma partida entre o Olympiacos e o AEK Atenas, que terminou com vitória do Olympiacos por 6 a 0. O motivo do acidente é bem similar ao ocorrido em Buenos Aires na partida entre River X Boca, que eu contei na série das tragédias (quem não leu ainda, sugiro que leia agora e depois continue aqui). CONTINUA

Ullevaal Parte II

CONTINUAÇÃO…. #estadioscdf .
.
O motivo da Associação Norueguesa de Futebol adquirir a maior parte do estádio, se deu pelo fato do governo não conseguir justificar um aporte financeiro tão grande em um estádio vinculado a apenas um clube, no caso o FK Lyn. Em 1985, o estádio passou por ampla renovação/ampliação e em 1987, foi sede da final da Eurocopa feminina disputada entre Noruega e Suécia. Em 1989, uma nova reforma e reconstrução do estádio deu início graças a nova regulamentação da FIFA, que basicamente exigia que se o estádio quisesse sediar jogos da Noruega pelas Eliminatórias da Copa de 94, então todos os lugares deveriam possuir assentos. Nesta nova reforma, todos os vestiários foram renovados e aumentados de tamanho, foram construídos áreas VIP e de camarotes para a Família Real, além de restaurantes e a remoção da pista de atletismo, fazendo o estádio virar exclusivo para a prática do futebol. Depois da grave crise financeira que acometeu o FK Lyn, a Associação de Futebol da Noruega resolveu comprar as ações que eles possuíam do estádio. Hoje dos 27 mil lugares, 1470 são assentos VIP e 28 são assentos para cadeirantes. O estádio conta com 4 setores, 16 pontos de entrada, 5 entradas VIP, uma bilheteria com 12 cabines, 40 banheiros, 20 kiosks e 3 salas de emergência. O campo possuí 105 por 68 metros e o gramado é 97% natural e 3% sintético. O Ullevaal também possuí uma sala para a imprensa de 39 metros quadrados, um estúdio de TV, 16 cabines para comentaristas, 130 metros quadrados de área exclusiva dedicada aos jornalistas e sala de conferência (entrevistas) com capacidade para 96 pessoas. Tanto a Associação de Futebol da Noruega, quanto o Comitê Olímpico e Paralímpico da Noruega possuem escritórios no Ullevaal. Ao redor do estádio existe um centro comercial onde é possível encontrar, escritórios, um hotel, centro de conferência e um shopping center. O clube Vålerenga IF, que disputa a primeira divisão, começou a utilizar este estádio em 1999, mas agora que construiu seu próprio estádio não manda mais seus jogos lá. Como consequência da saída do FK Lyn e do Vålerenga, a tendência é o estádio ser bem menos utilizado em 2018.

Ullevaal Stadion

NOME OFICIAL: Ullevaal Stadion
DONO: Associação de Futebol da Noruega
MANDANTES: Seleção da Noruega
INAUGURADO: 1925 (93 anos)
CAPACIDADE: 27.000
LOCALIZAÇÃO: Oslo, Noruega
.
.
A minha página segue agora para os países nórdicos, mais especificamente para a Noruega, para contar a história de mais um estádio. Quem não leu sobre os outros estádios que já postei e quiser dar uma fuçada, segue a hashtag: #estadioscdf .
.
O Estádio Ullevaal é o maior estádio da Noruega e é por isso, que é a casa da seleção norueguesa na grande maioria de suas partidas. A capacidade atual é de 27 mil espectadores e além da seleção, ele também foi bastante utilizado por dois clubes tradicionais da Noruega: o FK Lyn e o Vålerenga. Ambos os clubes deixaram de jogar lá por motivos diferentes: o primeiro sofreu falência, portanto acabou indo parar nas últimas divisões e passou a utilizar um estádio menor e o segundo acabou construindo um estádio novinho, transferindo seu mando oficialmente no ano passado. Como este é o principal estádio do país, é lá que a grande final da Copa da Noruega acontece todos os anos. Existem rumores de que o governo norueguês estuda uma proposta para ampliar e modernizar o estádio para a categoria 4 da UEFA, ou seja, aumentar sua capacidade para 35 mil torcedores, colocar grama artificial e um teto retrátil, porém como eu disse, nada é certo ainda. O Ullevaal fica ao norte da capital da Noruega, Oslo e a cerca de 4 km do centro da cidade, o que significa que é muito fácil de acessar o estádio seja a pé, por carro ou transporte público. Lá dentro, fica localizado o Museu de Futebol da Noruega e é possível fazer um tour com guias pelo estádio. A iniciativa para a sua construção veio do FK Lyn, que em 1925 junto com o município e outros clubes de menor porte, se uniram para fazer a obra sair do papel. A inauguração foi no dia 26 de setembro de 1926, em um estádio que tinha capacidade para 35 mil pessoas e uma pista de atletismo ao redor do campo. Em 1935 o recorde de público foi alcançado: 35.495 pessoas assistiram a um amistoso entre Noruega e Suécia. Em 1960, a Associação de Futebol da Noruega adquiriu 50.7% do estádio e se tornou majoritária CONTINUA……….

Plataforma Flutuante da Marina Bay

NOME OFICIAL: Plataforma Flutuante da Marina Bay
NOME: Estádio Flutuante Marina Bay
MANDANTES: Conselho de Esportes de Singapura
INAUGURADO: 2007 (11 anos)
CAPACIDADE: 30.000
LOCALIZAÇÃO: Singapura
.
.
Depois de contar sobre dois importantes estádios na Europa, o Mestalla na Espanha e o Olímpico de Kiev na Ucrânia (quem não leu sobre eles segue o link #estadioscdf), vamos agora para o sudeste da Ásia conhecer um estádio bem diferente de tudo que vocês estão acostumados. O campo fica sobre a maior plataforma flutuante do mundo, é cercado de água pelos quatro cantos e para o acesso ao campo, três mini-pontes foram construídas. Este estádio fica localizado nas águas da Reserva Marinha da Marina, na Baía de Singapura. A Baía fica localizada na parte central da cidade-estado e o governo investiu uma enorme quantia de recursos, para transformar o local no “cartão postal” do país. Os fãs do automobilismo que estão lendo isso, provavelmente já se ligaram que esta é a mesma Baía do Grande Prêmio de Singapura de Fórmula 1. A plataforma é feita 100% de aço, aguenta o peso de 9 mil pessoas, 200 toneladas de equipamentos e acessórios de palco, três veículos militares de 30 toneladas cada e mede 120 por 83 metros, o que faz ela ser 5% maior que o campo do Estádio Nacional. A capacidade do estádio é de 30 mil pessoas. A ideia de construção deste estádio, veio depois que o Estádio Nacional foi fechado em 2007, demolido em 2010 e inteiramente reconstruído, abrindo as portas novamente somente em 2014. Enquanto o Estádio Nacional estava passando pelas obras, todas as cerimônias militares e civis, shows internacionais e grandes eventos que antes ocorriam lá, começaram a ocorrer na Baía da Marina. Em 2010, este estádio ganhou bastante repercussão na mídia quando se tornou o palco das cerimônias de abertura e fechamento dos Jogos Olímpicos da Juventude de 2010. Apesar de ser planejado para ser utilizado somente por 5 anos e ser usado minoritariamebte para o futebol e muito mais para eventos da comunidade, concertos e cerimônias, o estádio acabou sendo um sucesso e até hoje está ativo. Seu futuro é incerto, mas de qualquer forma ele já entrou para a história.

Estádio Olímpico de Kiev Parte II

CONTINUAÇÃO…..Este é o visual externo do Estádio Olímpico de Kiev. Fica bem nítido a semelhança com o Maracanã, como explicado na primeira postagem. Eu pessoalmente, acho o estádio lindo por dentro, mas um pouco sem graça no que se refere ao seu visual e acredito, que se ele fosse um pouco mais colorido e não inteiro cinza, seria mais bonito. Este estádio, não é apenas o principal da Ucrânia, mas de todo o leste europeu, ficando atrás somente de um estádio: o Luzhniki. Quem quiser saber mais sobre o estádio russo, que inclusive vai ser o palco da final da Copa, corre lá no feed e procura, porque ele já foi postado na serie “estádios e cidades-sede” da super cobertura do mundial que eu fiz (já estamos na parte de análises de seleções). O Estádio, está preparado para realizar competições e modalidades olímpicas, pois conta com uma grande área entre o campo e as arquibancadas. Em 6 de outubro de 1975, mais de 102 mil pessoas se expremeram para assistir a partida de volta da final da Supercopa da Europa, disputada entre o Dínamo de Kiev e os alemães do Bayern de Munich. Vitória do Dínamo por 2 a 0, (já haviam vencido o jogo na Alemanha por 1 a 0) se sagrando campeão dos campeões da Europa e ainda, batendo o recorde de público do estádio (até hoje não foi e dificilmente será quebrado). A localização dele é perfeita, já que fica bem no centro da cidade de Kiev e por esta razão, são várias estações de metrô localizadas próximas ao complexo esportivo. Em seus mais de 94 anos de existência, o estádio já sofreu, por diversos motivos, várias alterações em seu nome, dez vezes para ser mais preciso. A grande maioria de suas melhorias, que estão sendo muito bem aproveitadas em 2018, com o estádio se tornando palco da final da Champions, são provenientes das exigências da UEFA, para que o estádio fosse utilizado na final da Eurocopa de 2012. Historicamente, a final da Copa da Ucrânia, também é jogada no Estádio Olímpico. Chegamos ao final da história do segundo estádio aqui da página (o primeiro foi o Mestalla) e não dava para deixar um estádio com tanta história de fora. Com certeza, este estádio ainda irá sediar importantes torneios e importantes partidas de futebol.

Estádio Olímpico de Kiev

NOME OFICIAL: Complexo Esportivo Nacional Olímpico
NOME: Estádio Olímpico de Kiev
MANDANTES: Dínamo de Kiev e Seleção da Ucrânia
INAUGURADO: 1923 (94 anos)
CAPACIDADE: 70.050
CATEGORIA UEFA: 4
LOCALIZAÇÃO: Kiev, Ucrânia
.
.
A finalíssima do torneio de clubes mais importante do mundo, será realizada neste estádio no dia 26 de maio. Será a primeira final da Champions na Ucrânia. A seleção utiliza bastante este estádio, que já foi palco de olimpíadas, eurocopa, entre outros eventos, inclusive shows. Ele pertence ao governo ucraniano, que concedeu um empréstimo ao Dínamo de Kiev (clube mais bem sucedido do país e que usa o estádio desde 2011). Como é bem antigo, construído em 1923 logo após o término da primeira guerra mundial, sua história está ligada ao regime da União Soviética. Depois de sua ampliação e de certas melhorias, o estádio estava pronto para mudar de nome e iniciar um novo ciclo, quando no dia 22 de junho de 41, sofreu um forte bombardeio realizado pela Luftwaffe, a Força Aérea da Alemanha nazista. Com o término da guerra e a derrota dos alemães, o estádio teve que ser reconstruído, além de ter sido batizado com o nome do líder soviético, Nikita Khrushchev. Entre as décadas de 60 e 70, a capacidade chegou a ultrapassar 100 mil pessoas. Em 78, novas reformas aconteceriam para que o estádio pudesse receber os Jogos Olímpicos de Moscou (sediou as partidas de futebol) e é por esta razão que até hoje temos a palavra “Olímpico” no nome do estádio. Em 91, a Ucrânia conseguiu sua independência, mas isto significou um belo abandono do estádio, que por motivos de segurança, sofreu uma redução em sua capacidade ao final da década de 90 para 84 mil lugares. A Eurocopa de 2012, foi realizada em conjunto entre Polônia e Ucrânia, portanto novamente o estádio foi reformado, inclusive porque a final do torneio aconteceu lá. Hoje, são 70 mil lugares, 2 telões gigantescos de 103 m2 cada, camarotes, restaurantes, bares e lojas, além de 1.500 lugares para jornalistas. Sua estrutura é muito semelhante a do Maracanã e ele é também, muito utilizado para ser palco de diferentes tipos de eventos, como shows. Madonna, Shakira e Rolling Stones já se apresentaram por lá.