BAYERN DE MUNIQUE 1972-1976

TIME: Bayern de Munique
LOCAL: Munique, Alemanha 🇩🇪
PERÍODO: 1972-1976
CONQUISTAS: Tricampeão da Liga dos Campeões (73-74;74-75;75,76), Campeão Mundial Interclubes (76) e Tricampeão Alemão (71-72;72-73;73-74)
APELIDO: Os Bávaros .
.
TIME BASE: Sepp Maier; Johnny Hansen, Schwarzenbeck, Beckenbauer, Paul Breitner (Udo Horsmann); Franz Roth, Jupp Kapellmann, Bernd Dürnberger; Karl-Heinz Rummenigge, Gerd Müller e Uli Hoeness. Téc. Udo Latek e Dettmar Cramer
.
.
Depois de contar tudo sobre um dos maiores times que a Itália já formou e de aprendermos sobre o estrago que “O Grande Torino” fez na Europa, chegou a hora de entrarmos em mais detalhes sobre o incrível esquadrão invencível do Bayern de Munich. Essa é a história de um dos três maiores times que a Alemanha já produziu em sua história, chegou a vez do Bayern ganhar seu espaço na série #esquadroesinvenciveis
.
.
Se um único time, se um único elenco pode criar um clube inteiro e fazer ele entrar para a história e ser conhecido por todos, então os jogadores do Bayern de Munique do inicio da década de 70 fundaram o império “Bayern” que existe até hoje na Alemanha. Quando Franz Beckenbauer e Sepp Maier, ambos ainda bem jovens, se juntaram as divisões de base em 1959, o Bayern não era nem o maior clube da própria cidade (era o 1860 Munich). Por isso, não preciso nem dizer que ele não frequentava a Bundesliga quando ela foi fundada em 1963. Na verdade, o fato deles não disputarem a liga alemã colaborou bastante para que o time de jovens atletas tivessem tempo de amadurecer seu futebol fora dos holofotes. Em 1964 um jovem atacante com o nome de Gerd Muller assinou com o Bayern, porque não conseguia acreditar que iria ter espaço no estrelado 1860 Munique. No final da sua primeira temporada, o Bayern já havia sido promovido e a partir daquele ponto não havia limites para o clube alemão, que começou a ganhar de todos que apareciam em seu caminho. Em 1967 o Bayern ganhou seu primeiro título europeu (Taça das Taças) em cima do Rangers, com a garotada (que depois ganharia reforços importantes como Paul Breitner e Uli Hoeness) que ficaria junta pelos próximos dez anos. Juntos esses jogadores transformaram o ato de levantar troféus em um hábito. Surpreendentemente esse timaço não dominou a Bundesliga o tempo todo, mas sempre achou uma forma de conquistar os torneios continentais, além de ter formado a espinha dorsal da vencedora seleção da Alemanha ocidental. Em 1977 Franz Beckenbauer deixou o clube e foi se juntar ao New York Cosmos, e aí a história desse grande esquadrão invencível terminou. É claro que existiram outros grandes times do Bayern depois disso, mas essa foi a geração que começou tudo. Muitos até hoje, eu sou um deles, consideram esse o melhor time do Bayern já montado, principalmente pelo fato de terem conquistado três títulos europeus consecutivos. É claro que ultimamente quem deu as cartas no futebol alemão foi o Bayern de Manuel Neuer, Arjen Robben, Frank Ribery, Bastian Schweinsteiger e Philipp Lahm, mas acreditem em mim quando digo que esse time montado a cerca de 40 anos atrás era bem melhor. Se até hoje o Bayern está no rol dos maiores clubes da Europa e do Mundo, então é graças a Sepp Maier, Franz Beckenbauer, Paul Breitner, Karl-Heinz Rummenigge e Gerd Müller. O grande diferencial desse timaço para qualquer outro nesse período era a consistência, a regularidade no padrão de jogo que apresentavam. O defesa era muito sólida e dificilmente levava gols, ao mesmo tempo em que o meio-campo e o ataque eram uma perfeita máquina de marcar gols. Um dos pontos mais interessantes desse esquadrão invencível, é que boa parte dos atletas titulares eram provenientes das divisões de base do clube bávaro. Antes de vencer a Bundesliga em 1972/1973, o Bayern só havia conquistado o campeonato alemão em duas ocasiões e precisava se firmar em seu país antes de sair tentando conquistar o continente. Em 34 partidas o clube só soube o que era perder em três ocasiões e chegou a marcar 101 gols contra apenas 38 tomados, inclusive aplicando a maior goleada em cima do Borussia Dortmund (11 a 1), jogando em casa. Visando receber a Copa de 1974, o Bayern inaugurava seu novo estádio (Estádio Olímpico de Munique) naquela temporada e se preparava para jogar a Liga dos Campeões da temporada seguinte. As coisas não deram certo no torneio continental e os alemães acabaram eliminados pelo Ajax, que se sagrava tricampeão europeu. Depois de conquistar o bicampeonato alemão em 1972/1973, com 25 vitórias e apenas 5 derrotas em 34 partidas, o Bayern estava de volta à Liga dos Campeões na temporada seguinte. Depois de passarem pelo Åtvidabergs da Suécia, o Dynamo Dresden da Alemanha Oriental, o CSKA Sofia na quartas e o Újpest da Hungria na semi, o Bayern finalmente estava na final do campeonato de clubes mais importante da Europa. A final foi contra o Atlético de Madrid e o Bayern conquistou seu primeiro título europeu. O clube bávaro recusou participar do Interclubes de 1974 e repetiu excelente performance na próxima edição da Liga dos Campeões. Depois de eliminar o Magdeburg da Alemanha Oriental, o Ararat Yerevan da União Soviética e o Saint-Éttiene da França na semi, mais uma vez se encontravam na final. A conquista do bicampeonato veio em cima do Leeds United, em um dos jogos mais polêmicos da história da competição, devido a violência aplicada pelo clube inglês e a um lance onde o juiz anulou um gol do time inglês após conversar com Beckenbauer. Assim como já havia ocorrido em 1974, o clube manteve a opção de se recusar a disputar o Mundial. No tricampeonato o título veio em cima dos franceses do Saint-Éttiene, em jogo disputado na Escócia. O Bayern igualava assim o tricampeonato que o Ajax tinha acabado de conquistar e se firmava como um dos gigantes do velho continente. Quando decidiu finalmente disputar o Interclubes, o Bayern finalmente se sagrou campeão do mundo ao bater o Cruzeiro: na ida 2 a 0 e na volta, em pleno mineirão com 120 mil torcedores, empate sem gols garantiram a façanha do time de Beckenbauer, que estava de saída. Em 1977 o craque alemão decidiu oficializar sua transferência para o New York Cosmos (sim, o mesmo clube que Pelé foi jogar) e esse fato culminou no término desse esquadrão invencível. Até hoje esse é considerado o maior time que o Bayern já montou em toda sua história e sem dúvida um dos 12 maiores já montados em toda história do futebol mundial. Um clube que se dava ao luxo de não participar de mundiais e que ganhou 3 títulos continentais com facilidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s