JUAN SEBASTIÁN VERÓN

JUAN SEBASTIÁN VERÓN
.
.
*ESTE É UM TEXTO BIOGRÁFICO COM CUNHO JORNALÍSTICO*
.
.
PAÍS: Argentina 🇦🇷 DATA NASCIMENTO: 09/03/1975
NASCIMENTO: La Plata, Argentina
POSIÇÃO: Meia
APELIDO: La Brujita
ALTURA: 1,86m
CLUBES:
Estudiantes, Boca Juniors, Sampdoria, Parma, Lazio, Manchester United, Chelsea, Internazionale, Brandsen
SELEÇÃO:
Argentina de 1996 a 2010
(73 partidas e 9 gols) #craquedebola#jogadorescdf #argentina#estudiantes #veron #sebastianveron .
.
Ídolo de milhões de argentinos e até mesmo, por que não, de inúmeros brasileiros, Sebastián Verón já se aposentou dos gramados. Depois de ter sido diretor esportivo, atualmente excerce o papel de presidente do Estudiantes de La Plata (arg), seu clube de coração. A carreira do meia começou na base do próprio Estudiantes, seguiu para o time principal do clube de La Plata, depois Boca Juniors, até que finalmente o argentino se transferiu para o futebol europeu. Verón passou por vários clubes italianos, depois foi jogar no futebol inglês e terminou sua carreira novamente no Estudiantes. Pela seleção argentina, jogou em 73 partidas entre os anos de 1996 e 2010, marcando 9 gols. Ele representou nossos hermanos em três Copas do Mundo e na Copa América de 2007. No ano de 2004 ele foi nomeado um dos 125 maiores jogadores da atualidade, feita pelo Rei Pelé. O ex-jogador tem dupla nacionalidade (italiana e argentina) e ganhou o apelido de “pequeno bruxo”, já que seu pai Juan Ramón era conhecido por “o bruxo” e também era ídolo do Estudiantes. Ao longo de toda sua carreira, conquistou dois campeonatos argentinos, uma libertadores, quatro Copas da Itália, uma Copa da UEFA, dois campeonatos italianos, duas Supercopas italianas, uma Supercopa da UEFA e um campeonato inglês. Sebastián Verón é o filho mais velho do atacante Juan Ramón Verón, que marcou contra o Manchester United, na final da Copa Intercontinental de 68, em pleno Old Trafford, quando vestia a camisa do Estudiantes. Desde pequeno seu sonho sempre havia sido o de jogar pelo Sheffield United, clube pelo qual seu tio Pedro Verde jogava na época. Seu pai tentou colocar Verón para jogar por um dos clubes que ele havia passado, o Panathinaikos da Grécia. Verón era um meia talentoso, completo, influente e versátil, que jogava armando jogadas quando tinha a bola (meia-ofensivo) e na marcação (volante) quando seu time estava sem a posse de bola. Como Verón sabia jogar em múltiplas posições, em algumas partidas ele se destacava por seus excelentes desarmes e em outras ganhava destaque ao marcar os gols decisivos da partida. O meia argentino era dotado de excelente habilidade técnica, visão de jogo, criatividade, passes extremamente precisos e excelente potência em chutes feitos com ambas as pernas. Por último, Verón também se virava muito bem nas cobranças de faltas, principalmente por conta da potência aplicada nas cobranças. Depois de se aposentar dos gramados e pendurar as chuteiras, Verón retornou ao Estudiantes em dezembro de 2012 para trabalhar como Diretor de Esportes. Em outubro de 2014 foi eleito presidente do clube com 75% dos votos, em uma eleição que contou com a participação de 8 mil associados (o máximo na história do clube). Em 2017 conseguiu ser reeleito para um mandato de mais três anos. Verón fazia parte do elenco da Argentina na Copa do Mundo de 1998, quando foram eliminados pela Holanda nas quartas-de-final. Na Copa de 2002 disputada na Coreia e Japão, era um dos principais jogadores do elenco argentino e por isso foi nomeado capitão. Com a eliminação ainda na fase de grupos, sofreu bastante com críticas e foi esquecido por Pekerman na convocação para a Copa de 2006. Por conta de sua ótima performance com o Estudiantes, foi titular na Copa América de 2007. Depois, Maradona ocupou o cargo de técnico da Argentina e acabou convocando Verón para a Copa de 2010, porém ele não atuou na partida que eliminou seu país da competição (disputada contra a Alemanha nas quartas-de-final). No dia 26 de agosto ele se aposentou da seleção, mas ainda disputou o Superclássico das Américas em 2011. Verón foi membro de uma esquadrão invencível que eu ainda não contei a história: o Parma de 1998 a 2000. No clube italiano ele atuou ao lado de Buffon, Thuram, Cannavaro, Dino Baggio, Ortega e Crespo. Em 2000-2001 quando foi da Lazio para o Manchester United foi a contratação mais cara do futebol inglês (£24M)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s