Torino Football Club 1942-1949 Parte I,II e Parte Final

TIME: Torino Football Club
LOCAL: Turim, Itália 🇮🇹
PERÍODO: 1942-1949
CONQUISTAS: Pentacampeão italiano de forma consecutiva (1942-43, 1945-46, 1946-47, 1947-48 e 1948-49) Campeão da Copa da Itália 1942-43
APELIDO: O Touro Indomável .
.
TIME BASE: Bacigalupo; Ballarin, Maroso; Grezar, Rigamonti, Castigliano; Loik, Mazzola; Menti, Gabetto, Ossola. Técs.: András Kuttik, Luigi Ferrero, Mario Sperone, Roberto Copernico, Leslie Lievesley e Ernest Erbstein.
.
.
Depois de contar tudo sobre o acidente de Superga, chegou a hora de entrarmos em mais detalhes sobre o incrível esquadrão invencível do Torino. Essa é a história de um dos três maiores times que a Itália já produziu em sua história, chegou a vez do Torino FC ganhar seu espaço na série #esquadroesinvenciveis
.
.
Começo dizendo que na minha opinião só existiram na história do futebol doze times mais competentes que o Torino de 1942-1949. Infelizmente o final da história desse fantástico esquadrão invencível foi muito trágica, mas estou aqui apenas para contar a parte boa da história. Aproveito o momento, para dizer à aqueles que quiserem ler e saber literalmente cada detalhe sobre o acidente de Superga, que procurem no meu feed pelo primeiro episódio da série que eu estou fazendo sobre tragédias aéreas envolvendo times de futebol. Em sete anos esse esquadrão do Torino foi simplesmente imbatível na Itália e por isso se tornou basicamente a espinha dorsal da seleção italiana daquele período. O acidente aéreo do dia 6 de maio de 1949 jamais será esquecido pelos torcedores do Torino e todos aqueles que morreram na tragédia estão no hall dos maiores atletas que já vestiram a camisa do clube de Turim. Muitos especialistas afirmam que se o acidente não tivesse ocorrido, esse muito provavelmente teria sido o maior time de futebol que já existiu na história do futebol italiano. Como as temporadas de 1943/1944 e 1944/1945 nunca ocorreram por conta da II Guerra Mundial, o Torino foi considerado pentacampeão italiano de forma consecutiva, além de ter levado o título da Copa da Itália em 1942/1943. Para aqueles que acham que eu estou exagerando quando aponto que esse foi o décimo terceiro maior time já montado, saibam que em cinco temporadas esse time obteve o registro impressionante de 483 gols anotados contra 165 sofridos. Era a coisa mais comum do mundo: o Torino jogava contra grandes times italianos da época fora de seus domínios e voltava para Turim com expressivas goleadas aplicadas como visitante. Em um ano por exemplo, o time aplicou uma sonora goleada de 7 a 0 na Roma em plena capital italiana e ao invés da torcida adversária se retirar do estádio vaiando seu time, acabou se levantando e ovacionando o time do Torino. O fato é inquestionável: qualquer clube italiano desse período morria de medo de ter quer enfrentar o Torino. O time era tão monstruoso que acabou virando a seleção italiana, tanto que como maior exemplo disso, no ano de 1947 a Itália realizou um amistoso contra a Hungria e o técnico Vittorio Pozzo colocou 10 atletas do Torino no time titular, só deixando o goleiro de fora (exatamente para não escalar o time inteiro deles). Uma curiosidade sobre o acidente de Superga que eu esqueci de contar na série sobre as tragédias: ele jamais teria ocorrido se o time do Torino não fosse tão espetacular, isso porque o clube só viajou para Lisboa por ter sido declarado campeão italiano matematicamente com 4 rodadas de antecedência. Quando o Torino sobrou em campo na temporada 1942/43 e ganhou o campeonato Italiano, muitos acharam que isso iria ficar por isso mesmo, já que a Segunda Guerra tinha estourado e o haveria uma pausa na competição. Porém quando a guerra terminou, para surpresa de muitos, o Torino na verdade tinha voltado mais forte ainda (tanto que conquistou mais 4 títulos consecutivos do Campeonato Italiano). Outra ponto importante que vale muito a pena destacar, é que esse esquadrão só não venceu mais porque a guerra não deixou, porque nao existiam competições continentais e porque o acidente ocorreu, ou seja, é como eu disse anteriormente, esse time poderia estar facilmente entre os top 5 da história do futebol. Dentre todas as fantásticas temporadas desse esquadrão, eu certamente destaco a de 1947/48. Naquela ocasião a campanha foi de 29 vitórias, 7 empates e apenas 4 derrotas em 40 jogos, além de 125 gols marcados e apenas 33 sofridos. Nessa mesma temporada o clube ainda bateu 7 recordes que demorariam bastante para serem alcançados. Depois do acidente de Superga, o Torino foi decretado campeão e a equipe da base do clube jogou as últimas quatro rodada do Campeonato Italiano de 1948/1949. Para demonstrar a força do Torino, o time venceu as quatro últimas partidas (contra Genova, Palermo, Sampdoria e Fiorentina), contra adversários que também utilizaram jogadores da base. É claro que depois disso o Torino nunca mais foi o mesmo, mas mais do que isso, a Itália demorou muito tempo para ter um time tão grandioso como esse ser formado (me refiro ao Milan de 1987 a 1991). Se essa tragédia terrível não tivesse ocorrido, seria espetacular assistir as partidas do Torino contra o fortíssimo Real Madrid de Puskas e Di Stéfano. Vamos agora conhecer um pouco mais sobre os membros do Grande Torino que faleceram na tragédia: (não esqueçam que eu vou contar tudo sobre cada um deles, ao longo das biografias de jogadores que faço ocasionalmente). Começando sempre pelo jovem goleiro de 25 anos Valerio Bacigalupo, que atuou por mais de 135 partidas e foi inclusive convocado para defender a seleção italiana em cinco oportunidades. Na defesa a dupla de zaga Aldo Ballarin e Virgílio Maroso era responsável por boa parte do paredão. Aldo jogou por quase 150 partidas, enquanto Maroso jogou por 103 partidas e também defendia a seleção italiana. No meio campo os responsáveis pela construção de jogo ficava a cargo de Grezar e Castigliano. Na frente deles ficavam Loik e Mazzola, que atuavam mais como meias mais ofensivos, sendo responsáveis pela criatividade do trio de ataque. Por falar em ataque, não havia nada mais mortal que a combinação ponta Franco Ossola (esquerda), Romeo Menti (direita) e o artilheiro e matador Gugliemo Gabetto. O destaque e melhor jogador do time era o capitão Valentino Mazzola, que é até hoje um dos maiores jogadores que a Itália já produziu. Nesse período o Torino teve diversos treinadores e não teve um que tenha se destacado mais. Muitos acreditam que a Itália teria de fato vencido a Copa do Mundo de 1950 caso o acidente aéreo não tivesse ocorrido. #torinofc

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s