CELTIC 1965-1974

TIME: The Celtic Football Club
LOCAL: Glasgow, Escócia 🏴󠁧󠁢󠁳󠁣󠁴󠁿
PERÍODO: 1965-1974
CONQUISTAS: Campeão da Liga dos Campeões 1966-67, sendo o primeiro clube britânico a conseguir tal feito, eneacampeão (9 vezes) consecutivo do campeonato escocês, 6 vezes campeão da Copa da Escócia e 6 vezes campeão da Copa da Liga Escocesa
.
.
TIME BASE: Simpson (Evan Willians); Jim Craig, Billy McNeill, John Clark e Tommy Gemmell; Bobby Murdoch, Bertie Auld; Jimmy Johnstone, Stevie Chalmers, Willie Wallace, Bobby Lennox. Técnico: Jock Stein .
.
Depois de contar sobre o maior time que o Manchester United já produziu em sua história, chegou a vez de um clube escocês ganhar seu espaço na série #esquadroesinvenciveis .
.
Na minha opinião, esse time está entre os 15 melhores já montados até hoje na história do futebol. Além de ter conquistado uma quantidade inimaginável de títulos em uma década, esse também foi o primeiro time da ilha britânica a se tornar campeão europeu. Isso mesmo. Não foi Manchester, não foi Liverpool e nem qualquer outro clube inglês. O primeiro campeão britânico da Liga dos Campeões era um clube simples, humilde, sem muitas pretensões e com alguns jogadores que sequer tinham todos os dentes. Por outro lado, era um clube com todos seus principais jogadores tendo nascido nos arredores de Glasgow, um clube muito aguerrido, muito unido, onde os atletas se viam como “irmãos”. Na época, antes do título europeu, o custo do time todo não passava de 42 mil libras. Os “Leões de Lisboa”, como ficaram conhecidos após vencerem a Internazionale em Portugal, devem ser prestigiados e homenageados por muito mais que a conquista continental. Naquela época, o futebol escocês era muito mais competitivo do que nas últimas décadas, tanto que quando o treinador escocês Jock Stein assumiu o cargo de técnico em 1965, o Celtic não vencia o campeonato fazia doze temporadas (Aberdeen, Hearts, Dundee, Kilmarnock e o Rangers dividiram a glória nesse período) e só tinha alcançado o feito duas vezes desde 1938. Não apenas Stein (um tipo de predecessor de Sir Alex Ferguson) foi o responsável por ter montado um dos maiores times de todos os tempos, como realizou um dos maiores feitos da história dos esportes, ao conquistar nove títulos do campeonato escocês de forma consecutiva. O comandante Stein, costumava encorajar seus atletas sempre lembrando eles, de que eram muito mais fortes como um time, do que individualmente. O futebol que o Celtic desempenhou nesses 9 anos foi extremamente ofensivo e dava a impressão de que a cada nova partida os jogadores atuavam como se não houvesse amanhã, como se aquela fosse a última partida da vida deles. Criando um clima descontraído, sem nenhum tipo de pressão e bastante familiar, o time funcionava do goleiro até o atacante com a precisão de um relógio suíço. Era impressionante. Começaram a entender agora porque Stein se tornou a inspiração de Sir Alex Ferguson? Stein não era apenas um mestre das táticas, mas um treinador que sabia o peso e a importância da parte psicológica dentro futebol. Com os resultados obtidos, John se tornou um dos maiores treinadores da história e imortalizou seu nome e o Celtic F.C para sempre. Uma curiosidade sobre Stein, é que ele era um protestante comandando uma equipe católica. Na campanha para o título inédito da Liga dos Campeões, o Celtic deixou o FC Zurich, o Nantes, o Vojvodina, o Dukla Praga e, por fim, a bicampeã Inter pelo caminho. Em 1970, o Celtic chegou pela segunda vez na final da competição de clubes mais importante do continente, mas dessa vez acabou sendo derrotado pelo Feyenoord da Holanda. Dificilmente o Celtic irá repetir a façanha realizada de 1965 até 1974 e dificilmente terá uma safra de jogadores como aquela, por isso vamos agora voltar no tempo e conhecer um pouco mais sobre os feitos e os principais personagens desse grande esquadrão invencível, que atropelava quem entrasse em seu caminho. No gol ficava Ronnie Simpson, que chegou ao Celtic com 34 anos e se tornou um dos maiores ídolos desse esquadrão. Ronnie trazia muita experiência, já que tinha passagens pelo Newcastle e pelo Hibernian (onde atuou com Stein, que pediu sua contratação). Apesar de seu pai ter feito carreira no rival Rangers, teve papel fundamental em vários títulos e por isso foi eleito em 2002, pela torcida, o maior goleiro da história do Celtic. No Mundial de Clubes de 1967, o rival foi o Racing e o clube argentino também estava vivendo um momento mágico. Conhecido como “Academia de Avellaneda”, o Racing tinham um elenco com jogadores extremamente talentosos e que jogavam um futebol bastante eficiente e objetivo. Na ida, em Glasgow, o Celtic venceu por 1 a 0 e na volta perdeu por 2 a 1. A decisão foi para a terceira partida (disputada em Montevideo) e o Racing venceu pelo placar mínimo, aplicando a única derrota que o Celtic sofreu no ano todo de 1967. Outro personagem muito importante, além do goleiro Simpson e do técnico Stein, foi o defensor Billy McNeill. Billy foi eleito em 2002, o maior e mais importante capitão que o Celtic já teve e confirmou o que todos já sabiam: está entre os 5 maiores ídolos da história do clube escocês. McNeill vestiu apenas a camisa do Celtic em sua carreira (forma mais de 790 partidas) e era o capitão do time na Liga dos Campeões de 1967. No meio-campo, Bobby Murdoch era o principal armador e um exímio lançador, quase sempre colocando os atacantes na boca do gol (isso quando ele mesmo não ia lá e resolvia a parada). Nessa eleição feita pelos torcedores em 2002, Jimmy Johnstone foi eleito o melhor jogador da história do Celtic (ele disputou 515 partidas e marcou 129 gols) e é até hoje um sinônimo de glórias para os torcedores. Jimmy era um ótimo matador e ao mesmo tempo um excelente driblador, fazendo inúmeras jogadas importantíssimas ao longo da trajetória desse esquadrão. Por fim, Bobby Lennox, que é o segundo maior artilheiro da história do clube escocês (são 273 gols em 571 partidas). Lennox aloprava e atormentava os defensores pelo flanco esquerdo do campo, mas não só pela sua enorme habilidade em driblar e sim por ser muito rápido, muito ágil com a bola nos pés (ele tinha uma das mais rápidas arrancadas em velocidade de toda a Europa na época). Depois de 1974, o Celtic nunca mais foi tão forte nas competições continentais, até 2003, quando quase conquistou a Copa da UEFA. Até hoje, os torcedores mais fanáticos do Celtic esperam por uma nova geração de talentos, que coloque novamente a Escócia no mapa do futebol europeu. #esquadroesinvenciveis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s