Arsenal 2003-2004 parte II

CONTINUAÇÃO…..Vamos agora, dar uma passada em cada um dos personagens que fizeram parte desta história, começando pelo gol. David Seaman havia acabado de se aposentar e portanto, era fundamental para o clube londrino achar um substituto a sua altura. E não é que achou? Jens Lehmann, alemão que jogava no Borussia Dortmund, pareceu ser a pessoa certa para arcar com esta responsabilidade. O goleiro, comandou a melhor defesa da Premier League naquela temporada, atuou em todas as partidas da liga e ainda roubou a titularidade no gol da seleção alemã, que era ocupado até então por Oliver Kahn. Na defesa, dois verdadeiros cherifes comandavam tudo: Sol Campbell e Kolo Touré. Ambos transmitiam segurança até demais e eram bons no jogo aéreo. A diferença entre os dois, se dava pois o africano era mais forte fisicamente, enquanto o inglês era melhor no jogo aéreo e em seu posicionamento dentro de campo. Apoiando os dois defensores, tinham dois laterais com características de jogo mais ofensivas do que defensivas. O flanco esquerdo era comandando por Ashley Cole de 23 anos, que impressionou o mundo com sua excelente forma física, ofensividade e eficiente marcação sempre que necessário. Do lado direito, Lauren, que era o jogador mais discreto dos 11 titulares, mas mesmo assim não dava para criticá-lo. Geralmente em grandes times, o pulmão e até mesmo o coração do time fica por conta de meio-campistas, meia-atacantes e os atacantes, porém neste esquadrão invencível do Arsenal o negócio era diferente e os volantes eram peça-chave neste time. À frente da defesa, estavam os dois volantes que iriam entrar para a história do clube londrino: Patrick Vieira e Gilberto Silva. O francês, além de possuir uma técnica e explosão inacreditável, ainda jogava tão bem na defesa quanto no ataque. Para mim e para muitos, ele e Henry foram os melhores jogadores naquela temporada dos sonhos. Seu companheiro de posição Gilberto Silva, era um monstro de volante, estava vivendo o auge de sua carreira e organizava o time todo lá atrás. Mais a frente dos dois, como uma segunda linha de meio-campo, estavam três jogadores: Robert Pirés, Dennis Bergkamp e Fredrik Ljungberg. CONTINUA….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s