HÉCTOR PEDRO SCARONE BERETTA

HÉCTOR PEDRO SCARONE BERETTA
.
.
A grande maioria não sabe quem foi Héctor Scarone e eu não os culpo, afinal ele nasceu em 1898. O que precisam saber é que na época em que atuou era considerado um dos mais brilhantes jogadores do mundo e que até hoje ele está na lista dos 30 maiores jogadores da história do Uruguai. Scarone jogou por 15 anos representando sua seleção nacional e nesse período ajudou demais o Uruguai na conquista da Copa do Mundo de 1930 e de quatro edições da Copa América, além de ter participado da conquista de duas medalhas de ouro nos jogos olímpicos de 1924 e 1928. A nível de clube ele passou a maior parte de sua carreira jogando pelo Nacional (onde é considerado um dos maiores ídolos da história do clube), onde conquistou oito títulos nacionais marcando 301 gols em mais de 368 partidas. Também teve passagens pela Inter de Milão, o Palermo e o Barcelona. Depois de se aposentar, Scarone resolveu investir na carreira de treinador. Ele foi o assistente técnico do Millionarios quando o clube colombiano ainda era amador, depois foi treinar o Nacional e o Real Madrid durante a década de 50. Ele morreu em 1967 em Montevideo quando tinha 68 anos de idade. Quando era jovem, suas habilidades com a bola chamaram a atenção de diversos clubes e com isso começou a ser convocado pela seleção uruguaia rapidamente se firmando como titular. Para terem uma amostra do impacto que ele causou, com apenas dezenove anos de idade e em sua quarta partida na seleção, marcou o gol que deu o título da Copa América de 1917, na final diante da Argentina. Até 2011 ele era considerado o maior artilheiro da história do Uruguai e hoje está na quarta posição. Héctor gostava de atuar como ponta direita. Este é um texto biográfico de cunho jornalístico*
.
.
PAÍS: Uruguai 🇺🇾
DATA DE NASCIMENTO: 26/11/1898
NASCIMENTO: Montevideo, Uruguai
MORTE: 04/04/1967 Montevideo
POSIÇÃO: Ataque / Ponta Direita
ALTURA: 1,69m
.
.
CLUBES:
Nacional-Uru, Palermo-Ita, Internazionale e Barcelona
.
.
SELEÇÃO:
Uruguai de 1917 a 1932
(51 partidas, 31 gols)
.
.
CLUBES QUE TREINOU:
Nacional e Real Madrid .
.
#uruguai #jogadorescdf #hector#craquedebola #idolo #camisa10#atacante #uruguay

Cape Town Stadium 

NOME OFICIAL: Cape Town Stadium
DONO: Cidade do Cabo
MANDANTES: Cape Town F.C e Ajax Cape Town
INAUGURADO: 2009
CAPACIDADE: 55 mil pessoas
LOCALIZAÇÃO: Cidade do Cabo, África do Sul 🇿🇦
GRAMADO: Grama natural
#estadioscdf #southafrica #africadosul#capetownstadium #cidadedocabo#soccerstadiums .
.
Nossa série sobre estádios continua e agora vamos sair da China e viajar para o continente africano. O estádio do Cabo fica na África do Sul e foi construído para receber partidas da Copa do Mundo de 2010. Durante a sua construção e até mesmo durante o mundial era conhecido como “Estádio da Ponta Verde”, que era o nome do antigo estádio que ficava no mesmo lugar. O antigo estádio tinha capacidade para 18 mil pessoas e foi totalmente demolido em 2007. Esse belíssimo estádio é a casa de dois clubes da primeira divisão sul-africana: o Ajax Cape Town (desde 2010) e o Cape Town F.CI (desde 2016). O estádio também sedia anualmente (desde 2015) o torneio de rúgbi South Africa Sevens. O estádio está localizado em Green Point, entre Signal Hill e o Oceano Atlântico, próximo ao centro da Cidade do Cabo. A capacidade do estádio foi de 64,100 pessoas sentadas durante a Copa de 2010, mas posteriormente essa capacidade foi reduzida para 55 mil pessoas. A construção do estádio começou em março de 2007 e terminou após 33 meses ao custo de 600 milhões de dólares. Na Copa do Mundo de 2010, o estádio recebeu cinco partidas da fase de grupos, uma partida das oitavas, uma das quartas e uma da semifinal. No dia 7 de novembro de 2012, antes de um show do Linkin Park começar (com estádio completamente lotado), uma parte da estrutura do estádio se soltou devido a ventos extremamente fortes e acabou caindo em cima de um grupo de pessoas (19 feridos e uma morte). Depois que o mundial acabou, muitos cidadãos da Cidade do Cabo pediram pela demolição total do estádio, já que ele começou a ser pouco utilizado. Até hoje a utilização efetiva do estádio é um assunto delicado e político nessa cidade sul-africana. Eu particularmente acho esse um dos três estádios mais bonitos utilizados na Copa de 2010. É comum o estádio da Cidade do Cabo receber shows e também jogos de rúgbi ao longo de cada ano.

CHICAGO FIRE SOCCER CLUB

CHICAGO FIRE SOCCER CLUB
.
.
O Chicago Fire é um clube de futebol profissional dos Estados Unidos, com sede no subúrbio de Bridgeview, Illinois e que disputa a conferência leste da MLS (divisão de elite do país). Em 1871 um grande incêndio ocorreu em Chicago, matando ao menos 300 pessoas. Inspirado nesse trágico evento, o clube foi fundado no dia 8 de outubro de 1997, data do aniversário de 126 anos do incêndio. O clube possui um título nacional, conquistado em 1998, fato que o coloca como sexto clube mais bem sucedido do futebol norte-americano. O clube é considerado um dos mais fortes no que se refere a sua divisão de base e infra-estrutura. O escudo do clube é derivado da forma padrão de um emblema do corpo de bombeiros e combina um estilo de logos de clubes de futebol europeus, com o logo de times vinculados a outros esportes norte-americanos. Os primeiros uniformes do clube foram escolhidos para lembrarem os uniformes dos bombeiros e eram fornecidos pela Nike, que ficou de 1998 até 2002 fornecendo material esportivo. Depois de quebrar contrato com a Nike em 2002 e fechar parceria de 2 anos com a Puma, o clube acertou com a Adidas, que desde 2006 é o fornecedor oficial. O estádio SeatGeek é voltado especificamente para o futebol, fica a 12 milhas de downtown e tem capacidade para 20 mil pessoas. Antes, o clube usava o estádio do Chicago Bears da MLS que tinha capacidade para 60 mil torcedores. A torcida organizada do clube se chama “Section 8” em referência ao número correspondente ao setor que ficavam no antigo estádio. *ESTE É UM TEXTO BIOGRÁFICO DE CUNHO JORNALÍSTICO
.
.
FUNDAÇÃO: 1997
CORES: Vermelho e Branco
APELIDOS: “Homens de Vermelho”
MATERIAL ESPORTIVO: Adidas
DIVISÃO TEMPORADA 2019: MLS (primeira divisão)
SÍMBOLO: Caminhão de Bombeiros
ESTÁDIO: SeatGeek com capacidade para 20 mil pessoas
CONFEDERAÇÃO: CONCACAF (América Central e do Norte)
SEDE: Chicago, Estados Unidos 🇺🇸
.
.
TÍTULOS: 6
Copa MLS: 1 (98)
Escudos dos Torcedores: 1 (03)
Copa Aberto dos EUA: 4 (98,00,03 e 06)
.
.
#fut #clubesdefutebol #times #time#fute #soccer #eua #everest#estadosunidos #timesdefutebol#follow #futebol #soccerclubs#soccerteams #futebolnorteamericano

JUAN SEBASTIÁN VERÓN

JUAN SEBASTIÁN VERÓN
.
.
*ESTE É UM TEXTO BIOGRÁFICO COM CUNHO JORNALÍSTICO*
.
.
PAÍS: Argentina 🇦🇷 DATA NASCIMENTO: 09/03/1975
NASCIMENTO: La Plata, Argentina
POSIÇÃO: Meia
APELIDO: La Brujita
ALTURA: 1,86m
CLUBES:
Estudiantes, Boca Juniors, Sampdoria, Parma, Lazio, Manchester United, Chelsea, Internazionale, Brandsen
SELEÇÃO:
Argentina de 1996 a 2010
(73 partidas e 9 gols) #craquedebola#jogadorescdf #argentina#estudiantes #veron #sebastianveron .
.
Ídolo de milhões de argentinos e até mesmo, por que não, de inúmeros brasileiros, Sebastián Verón já se aposentou dos gramados. Depois de ter sido diretor esportivo, atualmente excerce o papel de presidente do Estudiantes de La Plata (arg), seu clube de coração. A carreira do meia começou na base do próprio Estudiantes, seguiu para o time principal do clube de La Plata, depois Boca Juniors, até que finalmente o argentino se transferiu para o futebol europeu. Verón passou por vários clubes italianos, depois foi jogar no futebol inglês e terminou sua carreira novamente no Estudiantes. Pela seleção argentina, jogou em 73 partidas entre os anos de 1996 e 2010, marcando 9 gols. Ele representou nossos hermanos em três Copas do Mundo e na Copa América de 2007. No ano de 2004 ele foi nomeado um dos 125 maiores jogadores da atualidade, feita pelo Rei Pelé. O ex-jogador tem dupla nacionalidade (italiana e argentina) e ganhou o apelido de “pequeno bruxo”, já que seu pai Juan Ramón era conhecido por “o bruxo” e também era ídolo do Estudiantes. Ao longo de toda sua carreira, conquistou dois campeonatos argentinos, uma libertadores, quatro Copas da Itália, uma Copa da UEFA, dois campeonatos italianos, duas Supercopas italianas, uma Supercopa da UEFA e um campeonato inglês. Sebastián Verón é o filho mais velho do atacante Juan Ramón Verón, que marcou contra o Manchester United, na final da Copa Intercontinental de 68, em pleno Old Trafford, quando vestia a camisa do Estudiantes. Desde pequeno seu sonho sempre havia sido o de jogar pelo Sheffield United, clube pelo qual seu tio Pedro Verde jogava na época. Seu pai tentou colocar Verón para jogar por um dos clubes que ele havia passado, o Panathinaikos da Grécia. Verón era um meia talentoso, completo, influente e versátil, que jogava armando jogadas quando tinha a bola (meia-ofensivo) e na marcação (volante) quando seu time estava sem a posse de bola. Como Verón sabia jogar em múltiplas posições, em algumas partidas ele se destacava por seus excelentes desarmes e em outras ganhava destaque ao marcar os gols decisivos da partida. O meia argentino era dotado de excelente habilidade técnica, visão de jogo, criatividade, passes extremamente precisos e excelente potência em chutes feitos com ambas as pernas. Por último, Verón também se virava muito bem nas cobranças de faltas, principalmente por conta da potência aplicada nas cobranças. Depois de se aposentar dos gramados e pendurar as chuteiras, Verón retornou ao Estudiantes em dezembro de 2012 para trabalhar como Diretor de Esportes. Em outubro de 2014 foi eleito presidente do clube com 75% dos votos, em uma eleição que contou com a participação de 8 mil associados (o máximo na história do clube). Em 2017 conseguiu ser reeleito para um mandato de mais três anos. Verón fazia parte do elenco da Argentina na Copa do Mundo de 1998, quando foram eliminados pela Holanda nas quartas-de-final. Na Copa de 2002 disputada na Coreia e Japão, era um dos principais jogadores do elenco argentino e por isso foi nomeado capitão. Com a eliminação ainda na fase de grupos, sofreu bastante com críticas e foi esquecido por Pekerman na convocação para a Copa de 2006. Por conta de sua ótima performance com o Estudiantes, foi titular na Copa América de 2007. Depois, Maradona ocupou o cargo de técnico da Argentina e acabou convocando Verón para a Copa de 2010, porém ele não atuou na partida que eliminou seu país da competição (disputada contra a Alemanha nas quartas-de-final). No dia 26 de agosto ele se aposentou da seleção, mas ainda disputou o Superclássico das Américas em 2011. Verón foi membro de uma esquadrão invencível que eu ainda não contei a história: o Parma de 1998 a 2000. No clube italiano ele atuou ao lado de Buffon, Thuram, Cannavaro, Dino Baggio, Ortega e Crespo. Em 2000-2001 quando foi da Lazio para o Manchester United foi a contratação mais cara do futebol inglês (£24M)

Os Adultérios de Ashley Cole

Nossa série de polêmicas no mundo do futebol continua a pleno vapor. Hoje, vamos falar de mais um caso envolvendo atletas famosos e consagrados, que por algum motivo, acabaram cometendo terríveis erros, marcando suas carreiras profissionais e abalando suas vidas pessoais. Para lerem outras reportagens, basta clicarem na hashtag #polemicascdf. .
.
Sim, o assunto segue sendo traição galera. Mais um jogador envolvido em diversos caso extraconjugais, foi o lateral inglês Ashley Cole. O jogador começou sua relação com Cheryl Tweedy em setembro de 2004, quando viviam no mesmo bloco de flats em Londres. O casamento ocorreu em julho de 2006. Em janeiro de 2008 o casal quase separou, depois de alegações virem a público dizendo que Ashley havia tido casos com outras três mulheres. Ele confrontou a todos sobre isso e acabou permanecendo ao lado de Cheryl. Em fevereiro de 2010 o casal iria finalmente se separar, após novas alegações de adultério por parte de Ashley surgirem na mídia. O atleta deixou Cheryl Cole extremamente desapontada, principalmente por conta de sua difícil personalidade e também por diversos casos de infidelidade. Os tabloides ingleses cobriram todos os eventos e esse assunto tomou logo proporções enormes, o que começou a afetar profundamente o humor de Cole nos treinos e partidas do Chelsea. Naquela época, Cole era considerado uma dos dez laterais mais valorizados do mercado mundial e realmente era um jogador capaz de desequilibrar partidas. Infelizmente, ao contrário de outros casos de grandes jogadores que cometerem adultério, essa história não teve final feliz, ou seja, a Cheryl Cole acabou se divorciando dele. Para quem não sabe, Cheryl era uma das integrantes da banda pop britânico-irlandês Girls Aloud, constituída por cinco cantoras. Esse grupo musical foi formado através do reality show Popstars: The Rivals do canal ITV, promovido em parceria com a gravadora Polydor Records no ano de 2002. A cantora alegou depois, que já havia tolerado diversos comportamentos do tipo por parte de Ashley e que por isso havia chegado ao seu limite. Depois de um tempo, Cole ainda tentou reatar com ela, mas não obteve sucesso. Nem sempre a história tem final feliz.

Bola Nike 90 Total Aerow

MARCA: Nike
MODELO: 90 Total Aerow
COR: Diversas
PRINCIPAL CAMPEONATO UTILIZADA: Premier League temporada 2004/2005
.
.
Somente quem não havia nascido ou era muito novo, não se lembra do comercial histórico da Nike que envolvia um amistoso disputado entre os craques da nossa seleção e os craques da seleção portuguesa. Esse comercial entrou para historia e ranking dos comerciais mais comentados, não apenas por ser da gigante Nike e por conter grandes nomes do futebol mundial, mas principalmente por se tratar de uma verdadeira “batalha” de dribles disputada por todo o estádio antes da bola sequer rolar. O nome do comercial virou “Ole” e essa bola acabou se tornando nada mais nada menos, que a principal protagonista do vídeo publicitário. O comercial tinha a música “Papa Loves Mambo” tocando no fundo e passava quando a nossa seleção estava em alta, depois de ter conquistado o penta na Copa de 2002. Um dos maiores destaques dessa bola, acontecia toda vez que assistíamos ao replay de um lance na TV. O efeito da bola, somada à sua estampa inovadora e à imagem em câmera lenta causava um efeito e tanto nas transmissões da Premier League. Eu particularmente tenho bastante saudade dessa pelota e vocês? Lembrando que ela foi reestilizada em outra versão mais para frente e que ela existiu com várias cores diferentes. Vocês se lembram dessa bola? Deixem um comentário sobre quais lembranças elas te trazem. Essa bola também seria utilizada no Campeonato Italiano e no Campeonato Espanhol (os três mais influentes e populares do mundo) mais para frente, colocando a Nike finalmente batendo de frente com a Adidas, fornecedora oficial das bolas em torneios organizados pela UEFA. Além de ser uma bola bonita, era uma excelente bola para jogar e chutar.

CAMISA TITULAR ESCÓCIA 1988-1991

CAMISAS HISTÓRICAS #26
Minha página começou a contar a história das mais importantes camisas de futebol e suas respectivas histórias. Aprenda mais sobre as histórias por trás delas em nossa nova série de postagens. *CADA CAMISA UMA HISTÓRIA* Vamos agora, para a história da vigésima sexta camisa: #camisascdf
.
.
PAÍS: Escócia
SELEÇÃO: Escócia 🏴󠁧󠁢󠁳󠁣󠁴󠁿
MODELO: Camisa Titular
ANO: 1988-1991
FABRICANTE: Umbro
IMPORTÂNCIA HISTÓRICA: Marcou o início de uma geração de camisas retrô e marcou uma nova era para a Umbro dentro do futebol. É até hoje a camisa mais bonita que a Escócia já teve.
.
.
HISTÓRIA: Voltamos para o país berço do futebol como conhecemos, voltamos para a Escócia. Para a grande maioria dos escoceses essa é a camisa mais charmosa e bonita da história do país e eu compartilho dessa opinião. Vários modelos de camisas que vieram a seguir se basearam na ideia desse lançamento, utilizado pela primeira vez em maio de 1988, no amistoso entre a seleção escocesa e a seleção inglesa. Essa camisa introduziu a era de botões na gola da camisa e também abertura mais largas na região do pescoço. Esses botões na gola da camisa seriam encontrados em praticamente todas as camisas da Umbro pelos próximos quatro anos e também em outras empresas fornecedoras de material esportivo, que eventualmente também acabaram gostando da ideia. A gola dessa camisa era realmente única, ela era muito grande e fazia todos se lembrarem das camisas utilizadas durante as décadas de 40 e 50. A camisa tinha uma versão do emblema da Associação de Futebol da Escócia, que só foi utilizada nessa camisa ao longo da história e também possuía uma série de pequenos detalhes que a transformavam em uma camisa “clássica” com “C” maiúsculo. Outros dois emblemas bem mais discretos e pequenos da Associação de Futebol da Escócia, também foram adicionados à camisa: um monograma gótico próximo a gola e outra mais complexo na manga direita. Um ponto que é bastante ignorado em relação a essa camisa, mas que na minha opinião ajuda ela demais a ganhar notoriedade, é o logo da Umbro na cor amarela. A camisa reserva era branca e não obteve nem metade do sucesso da versão titular. #scotland#escocia #scotish

O DESASTRE AÉREO DE MUNIQUE

O DESASTRE AÉREO DE MUNIQUE
LOCAL DO ACIDENTE: Munique, Alemanha 🇩🇪
DATA: 06/02/1958
CLUBE VÍTIMA: Manchester United 🏴󠁧󠁢󠁥󠁮󠁧󠁿
NÚMERO DE PASSAGEIROS: 38
NÚMERO TRIPULANTES: 6
NÚMERO DE MORTOS: 23
AERONAVE: Airspeed Ambassador AS-57
OPERADOR: British European Airways
#munchen #munique #soccertragedy#manu #manchesterunited#tragedianofutebol #grandestragedias#germany .
.
Depois da série sobre as 15 maiores tragédias da história do futebol, passo agora a contar a história dos principais desastres aéreos, que envolveram clubes de futebol até os dias atuais. Vamos agora para a segunda tragédia. Quem quiser acompanhar basta clicar em #desastresaereoscdf .
.
Nove anos depois da terrível tragédia de Superga, o mundo do futebol foi mais uma vez abalado por um desastre aéreo. Dessa vez a tragédia ocorreu em Munique, Alemanha, no dia 6 de fevereiro de 1958 e envolveu o clube inglês do Manchester United. Apesar do acidente não obter a mesma proporção do acidente do Torino, ele também foi bem grave e deixou marcas bem profundas para o clube da cidade de Manchester. Haviam 44 pessoas abordo da aeronave, das quais vinte faleceram na hora e outras três posteriormente no hospital. O background desse desastre se inicia em 1955, ano em que UEFA criou a Copa Europeia, ou UEFA Champions League, como iria ficar conhecida mais para frente. A ideia da UEFA era reunir os campeões nacionais dos países afiliados a partir da temporada 1955-56. O Chelsea, atual campeao, foi proibido de participar do torneio porque o dirigente da Liga de Futebol Inglesa era contra o envolvimento do país em competições ligadas a UEFA. Na temporada seguinte o Manchester foi o campeão inglês e ganhou vaga na competição, somente para ser notificado de que também estava proibido de ingressar no torneio. Só que ao contrário do Chelsea, o treinador Matt Busby não aceitou isso e junto com a ajuda do presidente do Manchester e do presidente da Associação de Futebol da Inglaterra, desafiou a proibição, se tornando o primeiro clube inglês a participar de uma competição continental. Apelidado de “os bebês Busby” por conta da juventude do elenco, o clube chegou até a semifinal e acabou sendo eliminado pelo Real Madrid (que acabou se sagrando campeão da competição). Na temporada seguinte os Red Devils conquistaram novamente o campeonato inglês e ganharam o direto de competir no torneio continental mais uma vez. Assim como ainda acontece, naquela época os jogos voltados para os campeonatos nacionais eram disputados durante o final de semana, enquanto as competições internacionais eram realizadas durante o meio da semana. A consequência disso era que se um clube pretendesse jogar ambas competições, então ele deveria obrigatoriamente ter que viajar de avião (meio de transporte que ainda não era tão seguro). Após eliminar o Shamrock Rovers da Irlanda e o Dukla Praga da Tchecoslováquia na fase preliminar e primeira fase respectivamente, o adversário sorteado para as quartas de final foi o Estrela Vermelha da Iugoslávia. No dia 14 de janeiro de 1958 os diabos vermelhos venceram o clube do leste europeu pelo placar de 2 a1 (jogo disputado no Old Trafford). A partida de volta estava agendada para o dia 5 de fevereiro, porém antes de avançar aqui vai uma informação bem importante: quando o Manchester estava retornando de Praga depois de enfrentar o Dulka na rodada anterior, eles tiveram sérios problemas por conta de uma forte neblina sobre a Inglaterra, então o time acabou parando em Amsterdã e de lá pegou uma embarcação para a Inglaterra e posteriormente um trem até finalmente chegar em Manchester. A viagem acabou esgotando o time que só empatou na rodada seguinte do campeonato inglês. Por esse motivo e para não deixar isso acontecer novamente, o clube acabou fretando um voo da British European Airways. Na partida de volta o empate em 3 a 3 garantiu a passagem do Manchester para a semifinal. A decolagem do aeroporto de Belgrado atrasou em uma hora depois que um dos atletas do Manchester descobriu que havia perdido seu passaporte. O avião decolou e seguiu viagem para Munique onde iria parar para reabastecimento. O avião era um Airspeed Ambassador 2, de 6 anos de idade e construído em 1952. Essa aeronave era comum em pequenas companhias aéreas da década de 50 e 60. Tanto o comandante quanto o co-piloto eram membros da Força Aérea Real e ambos possuíam grande experiência (o co-piloto inclusive tendo abatido cinco caças alemães durante a segunda guerra mundial). No voo de ida para Belgrado o comandante Thain havia pilotado e agora na volta era o co-piloto Rayment quem assumia o controle da aeronave. Às 14:19 a torre de controle do aeroporto de Munique autorizou o taxiamento do voo. Raymont abandonou o procedimento de decolagem depois que o comandante Thain notou que o instrumento de pressão do motor estava inconsistente e que o motor fazia um som bem estranho enquanto acelerava. Uma segunda tentativa de decolagem foi colocada em prática três minutos depois, mas cancelada após 40 segundos pois os motores estavam com uma mistura excessivamente rica de combustível, causando aceleração em excesso (um problema comum nesse modelo de avião). Depois que essa segunda tentativa deu errado o avião retornou para o terminal e enquanto isso tudo acontecia, começou a nevar bastante no aeroporto de Munique. Depois que todos voos foram cancelados por conta do mal tempo, um dos jogadores chegou a enviar um telegrama para sua esposa informando do imprevisto e que decolariam no dia seguinte. Porém, esqueceram que o comandante Thain estava muito determinado a cumprir sua agenda e de pousar na Inglaterra dentro do prazo planejado. O engenheiro até tentou convencer o comandante a deixar a aeronave em solo para testes e reparos, mas ele não deu ouvidos e mandou abrir o acelerador mais ainda. Isso significava na prática que a aeronave demoraria mais tempo e precisaria consequentemente de mais pista para atingir sua velocidade de rotação (velocidade necessária para ganhar sustentação e decolar). Como a pista por lá tinha quase 2 km de extensão, o piloto da força aérea estava bem confiante de que não teria problema algum e com isso mandou todos embarcarem (apenas 15 minutos antes havia solicitado que todos saíssem da aeronave). Os jogadores do Manchester embarcaram novamente com expressão de medo e insegurança estampados em seus rostos, mas não havia muitas opções havia? Alguns chegaram até a mudar de assento e se dirigiram para o “fundão” do avião acreditando que lá era mais seguro. Às 14:59 o avião estava pela terceira vez no ponto de espera da pista, prontos para tentar decolar o avião mais uma vez. A autorização foi concedida pela torre e eles alinharam o avião para o check-list final. As 15:02 eles foram informado pela torre que teriam mais dois minutos para decolar, caso contrário a autorização iria expirar. Os dois pilotos concordam em decolar e de manterem seus olhos o tempo todo direto nos instrumentos relacionados ao motor. O co-piloto avançou a manete de potência devagar e o avião começou a acelerar, até ai tudo bem. A cada 10 nós de velocidade, Thain anunciava no cockpit e quando a aeronave atingiu 85 nós o problema no motor começou a surgir novamente. O comandante imediatamente moveu a manete para trás e depois deslizou ela para frente. Quando o avião atingiu 117 nós (217km/h) o comandante anunciou “V1”, ou seja, não era possível mais abortar a decolagem a partir daquele ponto. Em seguida Rayment gritou “V2”, o que significava que haviam atingido a velocidade mínima para decolar. Thain ia só esperar a velocidade aumentar mais um pouco para levantar o manche, mas então o pesadelo começou: a velocidade ficou flutuando na casa dos 117 nós e logo em seguida caiu para 112 e 105. Ao perceber isso, o experiente co-piloto gritou o mais alto que podia “Cristo, não vamos conseguir”, enquanto isso o comandante Thain erguia sua cabeça para ver bem o horizonte e o que havia na frente deles. A aeronave chegou ao final da pista ainda bem rápida, atravessou a cerca que delimitava a área do aeroporto, atravessou uma estrada e sua asa acertou em cheio a casa de uma família composta por 6 pessoas. O pai e a filha mais velha não estavam na casa, enquanto que a mãe e os outros três filhos escaparam da casa enquanto ela pegava fogo. Boa parte da cauda estava destruída, enquanto o lado esquerdo da cabine colidiu com uma árvore. O lado esquerdo da fuselagem acertou um galpão onde se encontrava um caminhão contendo gasolina e pneus, que acabou explodindo. Vinte passageiros morreram na hora e outros três perderiam a vida no hospital. Ao ver a cabine pegando fogo, Thain estava muito preocupado que a aeronave iria explodir e por isso solicitou aos tripulantes que evecuassem a área o quanto antes. Dois tripulantes foram entao até uma das saídas de emergência e foram os primeiros a saírem do avião, seguidos pelo oficial de rádio. O co-piloto Reyment ficou preso em seu assento e pediu que o comandante evacuasse a aeronave e o deixasse ali mesmo. Thain entendeu a situação, saiu correndo pela porta de emergência e ao cair no solo viu as chamas, que já estavam bem próximas da asa contendo 2 mil e trezentos litros de combustível. Ele imediatamente começou a gritar para todos se afastarem o mais rápido possível e então retornou para dentro do avião com a intenção de pegar extintores de incêndio, inclusive aproveitando para avisar o co-piloto de que retornaria o mais breve possível assim que o fogo fosse controlado. Enquanto isso tudo acontecia, lá nos corredores o goleiro Harry Gregg estava redobrando sua consciência e acreditava estar morto. Ele sentia o sangue escorrendo de seu rosto e se recusava a colocar a mão, pois acreditava que havia perdido boa parte da sua cabeça (a tampinha de sua cabeça) e que seu cérebro estava exposto. Acima dele havia claridade, então ele chutou o buraco forte o suficiente para abrir uma abertura e foi por ali que ele escapou. Ele ainda teve tempo de salvar dois colegas de time: Bobby Charlton e Dennis Viollet. O co-piloto Reyment sobreviveu ao acidente, mas teve vários ferimentos graves e acabou falecendo no hospital cinco semanas depois devido a danos cerebrais. No total foram 21 sobreviventes e 23 mortes. Das fatalidade, 2 eram da tripulação, 8 eram jogadores, 3 eram da comissão técnica, 8 eram jornalistas, 1 da agência de viagem e o último amigo próximo ao técnico Busby. Depois do acidente uma longa e detalhada investigação foi aberta, mas antes mesmo dela ser finalizada todos apontavam a causa principal como sendo erro humano (dos comandantes no caso). Quando o resultado finalmente saiu, o relatório tratava um elavado acúmulo de slush (mistura de sujeira e neve) na pista como principal responsável pela tragédia, isentando assim o comandante Thain (único piloto a sobreviver). Apesar dessa conclusão, o aeroporto de Munique ainda tentou indiciar o comandante como responsável, uma vez que haviam fotos mostrando que ele não havia limpado as asas do avião, da camada de gelo que havia se formado ali. Com o negativo das fotos foi possível ver que aquilo era na verdade reflexo do sol e que a real causa foi de fato o slush na pista, que acabou gerando atrito e impedindo que a aeronave atingisse a velocidade necessária para a decolagem. O comandante Thain foi prontamente demitido da empresa e foi trabalhar em sua fazenda, vindo a falecer em agosto de 1953, vítima de ataque cardíaco. Existem vários memoriais em homenagem ao acidente, sendo que dois deles ficam no estádio Old Trafford: um em homenagem aos jogadores e comissão técnica, enquanto o outro lembra os jornalistas que perderam a vida na tragédia. Também existem memoriais na Alemanha: um em um subúrbio de Munique, outro no agora antigo aeroporto de Munique e um último dentro do estádio do Bayern (o Allianz Arena). Existe também um memorial em Belgrado, no hotel em que o time ficou hospedado. No aniversário de número 40 da tragédia uma homenagem foi feita no Old Trafford, onde o United enfrentou uma seleção de astros do futebol europeu e toda a renda foi revertida para a família de cada uma das vítimas. No aniversário de 50 anos do acidente, um serviço memorial foi organizado novamente no Old Trafford (06/02/2008). Ao terminar o serviço e a cerimônia, os sobreviventes remanescentes do acidente de 1958, fizeram parte da renomeação do túnel localizado do lado sul do estádio. O túnel foi renomeado como “Túnel Munique” e concentra uma exibição de fotos dos “bebês de Busby”, como o time ficou conhecido na época. No mesmo dia a Inglaterra enfrentou a Suíça e todos aqueles que perderam as suas vidas no acidente, foram mostrado no telão do estádio de Wembley. Apesar de todo trabalho da investigação, o aeroporto de Munique nunca admitiu ter errado e nunca reconheceu ser culpado pelo slush na pista. Existem vários tributos ligados a essa tragédia, sejam por meio de programa de TV, documentários, filmes e até músicas. Depois do acidente de Turim, esse foi mais um duro golpe para amantes do futebol. *Em memória das vítimas.

CAMISA TITULAR ESCÓCIA 1988-1991

CAMISAS HISTÓRICAS #26
Minha página começou a contar a história das mais importantes camisas de futebol e suas respectivas histórias. Aprenda mais sobre as histórias por trás delas em nossa nova série de postagens. *CADA CAMISA UMA HISTÓRIA* Vamos agora, para a história da vigésima sexta camisa: #camisascdf
.
.
PAÍS: Escócia
SELEÇÃO: Escócia 🏴󠁧󠁢󠁳󠁣󠁴󠁿
MODELO: Camisa Titular
ANO: 1988-1991
FABRICANTE: Umbro
IMPORTÂNCIA HISTÓRICA: Marcou o início de uma geração de camisas retrô e marcou uma nova era para a Umbro dentro do futebol. É até hoje a camisa mais bonita que a Escócia já teve.
.
.
HISTÓRIA: Voltamos para o país berço do futebol como conhecemos, voltamos para a Escócia. Para a grande maioria dos escoceses essa é a camisa mais charmosa e bonita da história do país e eu compartilho dessa opinião. Vários modelos de camisas que vieram a seguir se basearam na ideia desse lançamento, utilizado pela primeira vez em maio de 1988, no amistoso entre a seleção escocesa e a seleção inglesa. Essa camisa introduziu a era de botões na gola da camisa e também abertura mais largas na região do pescoço. Esses botões na gola da camisa seriam encontrados em praticamente todas as camisas da Umbro pelos próximos quatro anos e também em outras empresas fornecedoras de material esportivo, que eventualmente também acabaram gostando da ideia. A gola dessa camisa era realmente única, ela era muito grande e fazia todos se lembrarem das camisas utilizadas durante as décadas de 40 e 50. A camisa tinha uma versão do emblema da Associação de Futebol da Escócia, que só foi utilizada nessa camisa ao longo da história e também possuía uma série de pequenos detalhes que a transformavam em uma camisa “clássica” com “C” maiúsculo. Outros dois emblemas bem mais discretos e pequenos da Associação de Futebol da Escócia, também foram adicionados à camisa: um monograma gótico próximo a gola e outra mais complexo na manga direita. Um ponto que é bastante ignorado em relação a essa camisa, mas que na minha opinião ajuda ela demais a ganhar notoriedade, é o logo da Umbro na cor amarela. A camisa reserva era branca e não obteve nem metade do sucesso da versão titular. #scotland#escocia #scotish

40 K !!!!

Depois de 26 meses de muito, mas muito trabalho, eu já consigo sentir o resultado: chegamos a expressiva marca de 40K. São quarenta mil pessoas que estão aprendendo tudo que há para ser aprendido, sobre esse grande esporte chamado futebol. Não é por acaso que se trata do esporte mais popular do nosso planeta. Se eu cheguei nessa marca, então isso é graças a você, fã da página. Eu só tenho a agradecer cada um de vocês. Muito obrigado! Gostaria também de enfatizar que essa não é uma página criada e administrada em conjunto, pelo contrário, ela sempre foi fruto do meu trabalho individual. Por isso, eu gostaria de fazer um pedido a cada um de vocês, um pedido legítimo e simplório: peço que cada um de vocês entrem no WhatsApp assim que terminarem de ler essa mensagem e que enviem uma mensagem para ao menos 10 pessoas que vocês conheçam e saibam que gostam bastante de futebol. Se fizerem isso, estarão me ajudando ainda mais a crescer e atingir um público ainda maior. Agradeço todo o apoio daqueles que me enviaram direct ou colocaram comentários elogiando meu trampo e deixando claro que a minha página é na visão de cada um, a mais informativa, mais completa e consequentemente a melhor do Insta. Quem acompanha meu trabalho desde o inicio e lê os meus posts, já adquiriu um conhecimento sobre futebol que eu duvido encontrarem em qualquer outro lugar. Fica aqui mais uma vez o meu compromisso com todos, de continuar fazendo uma das maiores e melhores páginas sobre futebol do Instagram e Facebook. Todo o conteúdo da página está disponível no meu blog (www.clubesdefutebol.blog). Prometo manter essa pegada séria e profissional, sempre com o intuito de fornecer bastante conteúdo e informação a todos vocês, afinal somos todos movidos pelo futebol, não somos? Sabemos que uma das maiores dificuldades que todas páginas enfrentam é a conciliação da frequência das publicações com um bom conteúdo e desde o início dessa página venho postando com uma alta frequência (praticamente todo dia) e também sempre com conteúdo extremamente detalhado. Mais uma vez obrigado a todos e conto com cada um para me ajudarem na divulgação. Próximo objetivo: 50K
#metaatingida #goal #foco
@pedromuroch